Professores e alunos demonstram desespero e revolta pela falta de informação sobre o fim da educação a distância

Chat da Seduc

Professores e alunos dos projetos de aulas via satélite estão sem nenhuma informação sobre o fim das atividades de educação a distância. Ontem a noite, eles entraram nos chats dos programas em busca de alguma orientação, mas ninguém da Secretaria de Educação do Amazonas (Seduc) se apresentou online para responder os questionamentos.

A Seduc suspendeu os projetos de aulas via satélite para o interior do Estado e não se manifestou publicamente sobre a situação. Ontem (1º de setembro) pela manhã, funcionários da empresa Jobast, responsável pela geração e transmissão de aulas via satélite para o interior do Amazonas e zona rural de Manaus, foram impedidos de entrar na secretaria para retirar os equipamentos de trabalho.

A noite, professores e alunos dos programas buscavam, em vão, uma resposta sobre a situação. “Professora, é verdade o que está sendo divulgado nas redes sociais sobre o governador (José Melo) ter acabado com o programa de ensino mediado, que os profissionais e professores ministrantes ficarem proibidos de entrarem e exercerem seus trabalhos, prejudicando todos os alunos do interior?”, indagou um estudante de Novo Airão no chat do programa.

Um outro estudante, do Município de Tonantins, escreveu: “POR FAVOR CENTRAL RESPONDEM NOSAS PERGUNTAS (SIC). PORQUE QUEREMOS INFORMAÇÕES”. Apesar do apelo do estudante, a Central da Seduc, ignorou o pedido de informações.

A interrupção das aulas via satélite impacta diretamente 2,7 mil comunidades no Estado, que ficam sem as aulas para o Ensino Fundamental, Médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA).

Com a suspensão do contrato, os projetos de educação a distância no Amazonas estão suspensos por tempo indeterminado. A Secretaria de Educação continua sem se manifestar sobre o assunto.