Professores e pais de alunos voltam a protestar contra extinção da Escola Tiradentes

Foto: Erik Oliveira / Radar Amazônico

Aproximadamente 40 professores e pais de alunos da Escola Estadual Tiradentes, na zona Sul de Manaus, realizaram mais um protesto nesta terça-feira (7). Desta vez, o grupo protestou em frente ao Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), na avenida André Araújo, zona Centro-Sul, para pressionar a Justiça quanto ao julgamento do recurso contra decisão da Secretaria de Estado de Educação (Seduc) que pretende transformar a unidade escolar em regime militar e determina que os 1.800 alunos sejam realocados para outras unidades.

Este já é o terceiro protesto realizado, em duas semanas, contra a ação. Os professores e pais continuam pedindo apoio das autoridades para revogar a decisão da Seduc. “Estamos todos juntos, professores e pais de alunos, pois todos nós seremos penalizados, e estamos aqui para buscar uma solução, até gora está tudo parado, não dão respostas aos professores, até agora não sabemos para onde vamos”, reivindicou a professora Priscila Jovina.

Lilian Alves, que é mãe de aluno e também esteve presente no protesto, disse que o principal problema é a questão do deslocamento. Se o filho mudar de unidade, será mais complicado em relação a passagem de ônibus. “Não estão se importando com as condições dos nossos filhos, é uma escola de 45 anos de existência. E muita das vezes não iremos ter dinheiro para pagar passagem para eles se deslocarem para outras escolas”, reclamou.

Vagas

Nesta manhã, a Seduc informou que irá disponibilizar 1,8 mil vagas em escolas próximas a região para realocar os alunos da Escola Tiradentes. Além disso, na própria unidade estão sendo ofertadas 240 vagas para alunos dos 7º, 8º e 9º anos que quiserem permanecer na escola. E os demais alunos do turno noturno serão transferidos diretamente para a Escola Estadual Major Silva Coutinho, localizada há 900 metros da Escola Tiradentes, no bairro Petrópolis.

A Seduc informou também que em relação aos 110 profissionais do magistério que atuam na Escola Estadual Tiradentes, foi solicitado que os próprios profissionais indicassem a instituição de ensino em que desejam lecionar.