Profissionais do sexo + mídia impressa X Câmara+Prefeitura+Lei contra anúncios sexuais = confronto de derrubar cabaré

A assessoria de imprensa do vereador e ouvidor da Câmara Municipal de Manaus, Hiram Nicolau, autor da Lei n° 354 que proíbe a publicação em jornais e revistas de anúncios sobre prestação de serviços sexuais garantiu, ontem, através de contato telefônico com o Radar, que o parlamentar tomou as providências para que a Lei saia do papel e seja efetivamente cumprida pela mídia impressa de Manaus. O Radar publicou nesta sexta-feira matéria mostrando que apesar da lei estar em vigor desde o dia 20 de dezembro, após ter sido sancionada pelo prefeito Artur Neto e publicada em Diário oficial, os jornais de Manaus, em seus classificados, continuam publicando serviços de acompanhante, disk sexo, garotos e garotas e demais anúncios do gênero. A assessoria de Hiram Nicolau informou que teria sido enviado à Casa Civil, ainda em dezembro do ano passado, um ofício solicitando que a Prefeitura de Manaus, assim como é determinado no texto da Lei, fiscalize o cumprimento da norma legal e puna os infratores. As punições são de 50 Unidades Fiscais do Município (UFMs), o que significa o pagamento de algo em torno de R$ 3,7 mil (levando-se em conta a UFM no valor de R$ 74,59), com valor dobrado no caso de reincidência.

Bolsão de Apostas

E a turma aqui do Radar já começou um bolsão de apostas, onde os lances que estão ganhando disparado vêm do pessoal que acredita que o prefeito Artur Neto, apesar de ter sancionado a Lei – olha que a gente jurava que ele ia vetar – vai imitar o Lula e ficar na base do não sei de nada e tenho raiva de quem sabe. “Será que o prefeito, em ano eleitoral, onde seu filho é candidato, no mínimo à reeleição de deputado estadual (mas tem sido especulado no meio político que será candidato a deputado federal), vai querer confusão com os jornais, impondo-lhes pesadas multas pelo descumprimento da Lei?”, argumenta quem defende a posição de que a Lei vai ser descumprida e o prefeito vai lavar as mãos.

Apostando na zebra

Mas, tem gente também apostando todas as fichas na possibilidade de uma “zebra” – resultado inesperado – onde Artur vai determinar que a Prefeitura fiscalize o cumprimento da Lei para não ser desmoralizado, já que assinou embaixo do projeto aprovado pela CMM, transformando-o em norma legal.  “Como ele vai justificar o fato de sancionar uma Lei, mas fazer vista grossa para seu descumprimento?”, perguntam os que apostam numa atitude legalista do prefeito.

Guerra santa?

Tem também mais um motivo apontado pelos que acham que o prefeito vai fazer a Lei ser cumprida: o fato de que a bancada evangélica votou em peso a favor da Lei e contra a publicidade de serviços sexuais. E, levando-se em conta o peso político que têm os evangélicos, principalmente em ano eleitoral, quem vai querer deixá-los insatisfeitos?

Guerra no cabaré

Mas, se criar polêmica com bancada evangélica não é bom negócio, também não com dono de jornal e, principalmente com os profissionais do sexo. Diz o pessoal do ramo que a pior publicidade contrária é a feita boca a boca, e nisso eles têm o dom do convencimento, não é mesmo? Brincadeirinha, viu?