Propaganda dos governos sobre segurança do retorno das aulas é mentirosa, afirma Asprom Sindical (ver vídeos)

Foto: Reprodução da propaganda do Governo do Amazonas no Youtube

O coordenador de comunicação do Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas de Manaus (Asprom Sindical), Lambert Melo, denunciou na tribuna da Assembleia Legislativa do Amazonas nesta quarta-feira (26), que é mentirosa a propaganda do Governo, que diz ser seguro o retorno das aulas presenciais, mesmo diante do registro de 500 casos diários de Covid-19.

“A propaganda que é feita pelo Governo do Estado e pela Prefeitura de Manaus, dizendo que que as escolas são um ambiente seguro para as crianças e adolescentes e os jovens voltarem nesse momento é uma grande mentira não existe essa segurança e nenhum protocolo que pode evitar que haja contaminação de estudantes, professores e pais dos alunos”, disse Lambert Melo.

De acordo com a categoria, as escolas públicas não têm segurança sanitária para voltar no momento e os professores se sentem obrigados a retornarem.

“Nós professores estamos diante de uma ameaça gravíssima, que é a ameaça de nos contaminarmos pela covid-19 no interior das escolas públicas da cidade de Manaus e do Estado do Amazonas, nós estamos sendo ameaçados de morte pelo prefeito de Manaus e pelo governador do Estado do Amazonas, porque não haverá outro caminho caso sejamos obrigados a retornar para as aulas presenciais conforme vem sendo anunciado pela imprensa e colocado como uma imposição para todos nós”, concluiu Lambert Melo.

Imunização incompleta

O retorno das aulas presenciais em sistema híbrido acontece em um momento em que sequer metade dos professores ainda não foram vacinados. Muitos já tomaram a primeira dose, porém a segunda dose da vacina, está sendo marcada somente para o mês de agosto.

“O mais grave de tudo é que os professores mesmo tendo tomado a primeira dose da vacina, não nós não estamos imunizados ainda porque a ciência determina que a imunização só acontece após transcorrido 14 dias depois de tomar a segunda dose e nós só tomamos uma dose. E o prefeito já quer voltar com as aulas para segunda-feira, 31 de maio”, disse Lambert Melo.

Neste período muitos professores temem contrair a Covid-19, principalmente para quem trabalha com crianças, levando em consideração que este público tem uma tendência maior a não cumprir o distanciamento social e o uso de máscara em ambiente escolar.

“É impossível que se tenha um controle sobre as crianças com relação principalmente a manutenção do distanciamento e também do uso de máscara durante 4 horas que é o tempo mínimo que um estudante passa dentro da escola, isso sem levar em consideração as escolas de tempo integral onde os alunos passam mais de 6 horas”, disse Lambert Melo.

Durante sua fala na Aleam, Lambert mais uma vez reforçou o pedido feito ao Governo do Estado para manutenção das janelas das escolas públicas, segundo ele, as janelas não abrem e os basculantes estão travados, impossibilitando a circulação de ar nas salas de aulas.