Proprietário de bar é ameaçado, espancado e preso por PMs (ver vídeos)

O Radar recebeu uma denúncia informando que o proprietário de um bar que fica localizado no bairro Terra Nova, na zona Norte de Manaus, foi agredido, ameaçado e preso junto com sua esposa por policiais militares sem qualquer justificativa – por motivos óbvios de segurança nossa reportagem decidiu não colocar na matéria qual seria o motivo que teria levado à agressão do comerciante. Câmeras de segurança que os policiais não tinham conhecimento que existiam no bar flagraram o que aconteceu e mostram claramente que o proprietário do bar está fechando o seu comércio e que não há qualquer incidente que justifique sequer a presença da polícia.

De acordo com informações repassadas pela família do rapaz, por volta das 5h deste sábado dia (2), os policiais pediram para o Sidnei fechar o bar e ele prontamente atendeu o pedido. Logo depois que os clientes saíram, quando Sidnei já estava fechando o bar – dá pra ver que inclusive quase todas as portas do bar estão abaixadas – os policiais voltaram e deram voz de prisão para Sidnei alegando que ele estaria infringindo o decreto governamental para o funcionamento de bares.

Sidnei pediu para ligar para um advogado, mas os policiais não deixaram, então ele pediu que os policiais aguardassem fora do bar enquanto ele iria esperar um advogado, foi quando o PM partiu pra agressão, e ainda apontou uma arma na cabeça do empresário. Os policiais só pararam de agredir o rapaz quando ele disse que toda a cena estava sendo gravada por câmeras de segurança. Os policiais não se identificaram, mas suspeita-se que o principal autor das agressões se chame Lacerda.

De acordo com um tio do rapaz, a esposa de Sidnei começou a ligar para os familiares e contar o que estava acontecendo, ao mesmo tempo em que dizia aos policiais que eles não tinham o direito de agredir o marido. Ela fez de tudo, segundo a família, para ir junto com o marido no camburão – viatura 256264 – com medo do que pudesse acontecer com ele ao ficar sozinho com os PMs.

Sidnei e sua esposa foram levados pelos PMs para a Central de Flagrantes (6º DIP) que fica situada no bairro Cidade Nova. Alguns instantes depois, a mãe de Sidnei, foi até a delegacia, e disse que só sairia de lá com o filho dela, foi quando o empresário e sua esposa foram liberados. Segundo a mãe do rapaz, não disseram a ela do que seu filho foi acusado para ser preso e se negaram a dar uma cópia do Boletim de Ocorrência (BO), com a alegação mais estapafúrdia de que “o processo corre em segredo de justiça” – o Radar vai procurar saber se a polícia agora é quem determina segredo de justiça, não é mais juiz e desembargador.

Veja vídeo da violência policial:

Revolta

Sem saber o motivo e qual crime teria supostamente cometido, Sidnei foi ameaçado, agredido e humilhado no seu local de trabalho. Em vídeo enviado à redação do Radar, o empresário mostra os hematomas e diz que passou a noite toda trabalhando e não fazia nada de errado.

“Passei a noite toda trabalhando, eu sou pai de família, pra um cara vir e dar uma mãozada na minha cara”, diz Sidnei em tom de revolta.

Nas fotos feitas por Sidney logo após a violência policial, é possível ver que as agressões não se concentraram apenas no rosto do rapaz e sim pelo corpo todo.

O Radar entrou em contato com a assessoria da Polícia Civil e Polícia Militar do Amazonas querendo explicações sobre a ação violenta dos policiais e o motivo da prisão do proprietário do bar, além de saber porquê não foi fornecido uma cópia do B.O, mas até o momento da publicação desta matéria não mandaram qualquer resposta.