Putin pode declarar oficialmente guerra à Ucrânia, dizem autoridades ocidentais

REUTERS/Maxim Shemetov

O presidente russo, Vladimir Putin, pode declarar formalmente guerra à Ucrânia em 9 de maio, uma medida que permitiria a mobilização total das forças de reserva da Rússia, à medida que os esforços de invasão continuam a falhar, acreditam autoridades americanas e ocidentais.

A data de 9 de maio, conhecido como “Dia da Vitória” na Rússia, comemora a derrota dos nazistas no país em 1945. Autoridades ocidentais acreditam que Putin aproveitaria o significado simbólico e o valor da propaganda do dia para anunciar uma conquista militar na Ucrânia, uma grande escalada de hostilidades – ou ambos.

As autoridades começaram a se concentrar em um cenário, em que Putin declara oficalmente guerra à Ucrânia em 9 de maio. Até o momento, o presidente russo insiste em chamar o conflito de “operação militar especial”, recusando palavrar como “invasão” e “guerra”.

“Acho que ele tentará sair de sua ‘operação especial’”, disse o secretário de Defesa britânico, Ben Wallace, à rádio LBC na semana passada. “Ele está preparando o terreno para poder dizer ‘olha, agora é uma guerra contra os nazistas, e o que eu preciso é de mais pessoas’”.

Durante todo o conflito, Putin continuamente enquadrou sua invasão da Ucrânia – um país com um presidente judeu – como uma campanha de suposta “desnazificação”, uma descrição rejeitada por historiadores e observadores políticos.

Wallace acrescentou que “não ficaria surpreso, e não tenho nenhuma informação sobre isso, que ele provavelmente declarará neste primeiro de maio que ‘agora estamos em guerra com os nazistas do mundo e precisamos mobilizar em massa o povo russo’”.

Uma declaração formal de guerra em 9 de maio poderia reforçar o apoio público à invasão. Também, sob a lei russa, permitiria a Putin mobilizar forças de reserva, que especialistas dizem que a Rússia precisa desesperadamente em meio a uma crescente escassez de mão de obra.

Autoridades ocidentais e ucranianas estimam que pelo menos 10.000 soldados russos foram mortos na guerra.

Esforço “anêmico” no campo de batalha

Após uma série de reveses militares e logísticos, Moscou concentra esforços na região de Donbass, no leste da Ucrânia, que está na linha de frente do conflito Rússia-Ucrânia desde 2014.

Mas uma autoridade dos EUA na segunda-feira (2) descreveu o esforço de guerra russo como “anêmico”.

“Eles entrarão e declararão vitória, e então retirarão suas tropas, apenas para deixar os ucranianos recuperá-la”, disse a autoridade a repórteres em um briefing do Pentágono.

O funcionário disse que os problemas que atormentaram os militares russos desde o momento inicial não foram corrigidos. “Eles ainda sofrem de comando e controle fracos, moral baixa em muitas unidades, logística abaixo do ideal “, disse.

As forças russas também querem evitar riscos que poderiam levar a mais baixas para suas forças já esgotadas, disse a autoridade, descrevendo a guerra terrestre na área como “muito cautelosa, muito morna”.

Enquanto isso, as forças ucranianas estavam fazendo progressos significativos em empurrar os russos de volta ao redor de Kharkiv, na ponta noroeste da região de Donbas, disse a autoridade.

“Um esforço incrível que, novamente, não recebeu muitas manchetes e não recebeu muita atenção, mas é apenas mais uma peça da dura resistência ucraniana que eles continuam a demonstrar”.

Outras opções de Putin para 9 de maio

Faltando menos de uma semana para o Dia da Vitória de 9 de maio, Moscou pode procurar outros lugares além de Donbas para uma declaração.

Outras opções incluem anexar os territórios separatistas de Luhansk e Donetsk no leste da Ucrânia, fazer um grande impulso para Odesa no sul ou declarar controle total sobre a cidade portuária de Mariupol.

Os EUA têm relatórios de inteligência “altamente confiáveis” de que a Rússia tentará anexar Luhansk e Donetsk “algum dia em meados de maio”, disse o embaixador dos EUA na OSCE, Michael Carpenter, nesta segunda.

Há também indicações de que a Rússia poderia estar planejando declarar e anexar uma “república popular” na cidade de Kherson, no sudeste do país.

O porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, disse que há “boas razões para acreditar que os russos farão tudo o que puderem para usar” em 9 de maio para fins de propaganda.

“Vimos os russos realmente dobrarem seus esforços de propaganda, provavelmente, como um meio de se distrair de suas falhas táticas e estratégicas no campo de batalha na Ucrânia”, disse em um briefing do Departamento de Estado.

“Estou bastante confiante de que ouviremos mais de Moscou até 9 de maio”, acrescentou Price. “Estou bastante confiante de que você ouvirá mais dos Estados Unidos, de nossos parceiros, incluindo nossos parceiros da Otan, até 9 de maio também”.