“Quase dois mil professores já testaram positivo para Covid-19”, denuncia sindicato dos professores

Foto: Giovane Leite

O Sindicato dos Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom Sindical) informou em comunicado oficial nessa sexta-feira (18), que já são quase dois mil professores que testaram positivo para Covid-19 e que é lamentável a atitude do governador Wilson Lima, do secretário estadual de Educação, Luis Fabian, e da presidente da Fundação de Vigilância em Saúde, Rosemary Costa, que agem como se nada tivesse acontecendo. .

“Estamos extremamente preocupados com a postura de irresponsabilidade do governador Wilson Lima que persiste em manter as aulas presenciais nas escolas de Ensino Médio da Seduc-AM, apesar de quase 2.000 professores terem testado positivo para o Covid-19, e que não se digna a dialogar com a direção do Asprom Sindical e com a Comissão do Comando de Greve para entender sobre a angústia da categoria dos Professores e Pedagogos e dos alunos que estão indo, mesmo com medo de serem infectados, para as escolas”, conforme comunicado.

A diretoria do sindicato denuncia que os profissionais de educação têm sofrido retaliações por parte do secretário Luis Fabian. “Apesar dele (Luis Fabian) não querer assumir que existe sim uma greve dos professores do Ensino Médio desde o dia 10/08/2020, greve que está incomodando e repercutindo à nível naciona e que impediu o retorno presencial das Escolas de Ensino Fundamental”.

“A nossa luta não vai parar, enquanto as aulas presenciais do Ensino Médio não forem suspensas. Semana que vem, de 21/09 à 25/09/2020 estaremos com uma vasta agenda onde continuaremos denunciando a irresponsabilidade do governador em manter as aulas presenciais em meio ao segundo pico de Covid-19 na capital. Em deixar sob risco de morte professores, alunos, demais servidores da Educação e seus familiares”, declarou em nota.

Denúncia

O Asprom Sindical denuncia também omissão por parte da diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM), Rosemary Costa Pinto, descartando a grande proliferação do coronavírus em professores e estudantes após o retorno das aulas presenciais.

“Estaremos denunciando também a conivência da sra. Rosemary Pinto que admitiu a grande aceleração de infectados pelo novo coronavírus e o significante aumento de internações na rede hospitalar pública e privada, mas que descaradamente nega, que haja professores e alunos que adquiriram covid-19 no espaço escolar”, denunciou Asprom.

Suspensão

Segundo a entidade, o governador Wilson Lima declarou na possibilidade de suspender as atividades comerciais caso haja uma segunda onda de coronavírus. Porém em nenhum momento, se pronunciou ao fato de suspender as aulas presenciais e autorizar o retorno do teletrabalho e das aulas remotas.

Confira na íntegra o comunicado