Queima de fogos em Manaus é cancelada após aumento dos casos de Influenza

O cancelamento da queima de fogos foi anunciada pelo prefeito de Manaus, David Almeida (Avante)

queima de fogos influenza

Foto: Divulgação

O prefeito de Manaus, David Almeida (Avante), anunciou na manhã desta sexta-feira (17) que vai cancelar a tradicional queima de fogos para celebrar a Virada de Ano. Segundo ele, a decisão foi motivada pelo aumento de casos de Influenza tipo A sazonal (gripe) na capital amazonense.

“Estou anunciando, ouvindo as orientações da ciência e da medicina, o cancelamento a queima de fogos que aconteceria em diversos pontos da cidade na Virada de Ano. A cautela e a prudência são os nossos dois maiores aliados neste momento”, disse.

Vale ressaltar que David Almeida anunciou no início do mês de dezembro o cancelamento da festa de Réveillon, que teria o cantor Luan Santana como atração nacional, mas manteve a tradicional queima de fogos.

Um levantamento feito pelo Radar Amazônico aponta que, além dos gastos milionários que David realizaria com shows de artistas nacionais, ele também iria investir uma fortuna em fogos de artifício com barulho, prejudiciais à saúde dos animais, de pessoas com deficiência (PCDs) e idosos.

Ao todo, seriam gastos R$ 1.272.350,00 (um milhão, duzentos e setenta e dois mil, trezentos e cinquenta reais) com fogos de artifício. Mesmo com o cancelamento das apresentações musicais, a queima de fogos também poderia gerar aglomeração de pessoas para ver o show de pirotecnia, principalmente na praia da Ponta Negra, zona Oeste de Manaus.

Números

Um balanço da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), divulgado na última segunda-feira (13), aponta que, nos últimos dois meses, foram confirmados 309 casos de Influenza em Manaus. Destes, 272 são do tipo A sazonal (H3N2). Os outros 37 não foram especificados por subtipo.

O balanço epidemiológico diz que a maior incidência foi na faixa etária de 21 a 30 anos, com 113 casos. Entre os idosos de 60 anos e mais, e crianças de até cinco anos, que estão nos grupos prioritários e receberam a imunização contra a doença, o número de casos foi de 12 em cada.