Quem são os alvos de prisão e busca e apreensão na quarta fase da Operação Sangria (ver decisão do STJ)

O secretário de Saúde do Amazonas, Macellus Campêlo é um dos alvos de mandado de prisão da 4ª Fase da Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal, para apurar desvios de recursos da saúde pública do Estado, desta vez, mais precisamente quanto à fraude em licitação e organização criminosa referente a instalação e ao funcionamento do Hospital Estadual de Campanha, Nilton Lins. Nesta quarta-feira (02), logo cedo, chegou a informação de que o secretário de saúde teria sido preso, mas logo depois a notícia era de que ele estava foragido. A mais nova informação é de que ele teria sido preso no aeroporto do Rio de Janeiro e estaria sendo trazido de volta para Manaus.

Além do secretário tiveram suas prisões temporárias decretadas os empresários: Rafael Garcia Silveira (empresa Prime) , Sérgio Chalub (empresa Lider), Frank Andrey de Abreu e Carlos Henrique Alecrim John (empresa Norte Serviços). Todas essas empresas prestaram serviços de saúde no hospital de campanha.

O dono da unidade hospitalar onde foi instalado o hospital estadual de campanha, o empresário Nilton da Costa Lins Junior também foi alvo de mandado de prisão. Segundo informações extra-oficiais que chegaram ao Radar, o empresário teria recebido os policiais federais a tiros.

Agentes federais fizeram mais uma busca e apreensão na casa do governador Wilson Lima, assim como na sede do governo do Amazonas, na secretaria estadual de Saúde, na casa do secretário de Saúde e na casa do dono do hospital Nilton Lins.

Houve decisão de quebra de sigilo bancário, fiscal e telefônico do governador e do secretário Marcellus Campêlo.

Veja a decisão na íntegra