Raí comandou última virada do São Paulo sobre argentinos após sofrer 2 a 0

Foto: Robson Ventura

A derrota por 2 a 0 para o Talleres (ARG) nesta quarta-feira (6), em Córdoba, na Argentina, pela segunda fase da Libertadores, deixou a situação do São Paulo bem complicada no torneio continental.

Mas há quase 26 anos, o hoje executivo de futebol do time tricolor, Raí, comandou uma virada semelhante também contra um time argentino.
Em 1993, então campeão do torneio, o São Paulo entrou na Libertadores diretamente nas oitavas de final.

Pela frente, a equipe do Morumbi, na época comandada por Telê Santana, encarou o Newell’s Old Boys, vice-campeão na edição anterior.
Na partida de ida, em Rosário, sem poder contar com Raí, machucado, o time escalado com três volantes: Pintado, Dinho e Válber, perdeu no estádio Parque Independência, com gols anotados por Gozzoni e Mendoza.

Na volta, o capitão Raí, que estava com o pulso quebrado, foi para o sacrifício e acabou sendo crucial na virada.
Dinho abriu o placar em um chute de fora da área que foi desviado. Depois, Raí, com a mão direita enfaixada, de falta, marcou o segundo. Foi dele também o terceiro. Coube a Cafu completar a goleada por 4 a 0, que ratificou a classificação e permitiu ao clube seguir na competição rumo ao bicampeonato.

Depois desse feito, apenas em outras duas oportunidades clubes brasileiros conseguiram reverter uma desvantagem de 2 a 0 no torneio. O Internacional, contra o Banfield (ARG), em 2010, e o Atlético-MG, contra o Olímpia (PAR), em 2013. Todos eles, após as viradas, fortaleceram-se e conseguiram conquistar o título continental.
No caso do São Paulo, na atual edição, só uma vitória por três ou mais gols dará a classificação direta à equipe. Existe ainda a possibilidade de o clube vencer por 2 a 0 e avançar nos pênaltis.

“Após um jogo assim tem que deixar a poeira e conversar com calma no São Paulo, no centro de treinamento. Vamos ver as melhores estratégias de mobilização para que a gente reverta isso”, disse Raí logo depois da derrota para o Talleres (ARG).

Ídolo em atividade e principal nome do elenco do São Paulo, Hernanes acredita que seja possível a virada.
“Nada acabou. Tenho confiança que em casa vamos fazer um bom jogo e reverter o resultado. Não fazer três gols. É fazer um, depois o outro e o outro”, afirmou o camisa 15.

“Fizemos um bom primeiro tempo, com o time muito concentrado. A gente merecia pelo primeiro tempo sair já ganhando. No segundo tempo, eles conseguiram encontrar dois bons chutes”, completou o são-paulino.