Reforma Administrativa: sem combinar a mentira governador fala uma coisa e o líder fala outra

melo vou fazer

O governador do Estado, professor José Melo, que anda sendo chamado até do que Deus duvida pelos policiais civis através de grupos do Whatsapp já que, segundo os policiais, teria mentido ao fazer acordo de conceder promoções em troca de apoio, dessa vez foi pego mentindo até pra ele próprio levando- se em consideração o que diz seu líder na Assembleia Legislativa do Estado, o deputado Sidney Leite (PROS) “O governador irá fazer uma reforma administrativa. Ele vai diminuir secretarias, vai fundir outras. Mas o governador assumiu isso. Ninguém cobrou dele: – diminua o tamanho do Governo. Ele assumiu esse compromisso por ele próprio”, disse o líder sobre a reforma administrativa do Governador.

Mas parece que o governador José Melo não cumpre compromisso nem quando promete pra si mesmo. O “bom e honesto filho de seringueiro” que passou a campanha repetindo a mesma frase “vou fazer sim!” quando seus adversários duvidavam de suas promessas, pelo jeito não vai fazer não uma reforma administrativa para reduzir os gastos do Governo e poder ter recursos para investir em áreas como educação. Melo passou a chamar a sua anunciada reforma administrativa de “ajustes” e ao invés de anunciar corte no número de secretarias, como afirmou que iria fazer, está pensando é em criar mais uma, com um possível retorno da Segov, Secretaria de Governo, para abrigar seu irmão Evandro Melo.

E enquanto o governador “ajusta” um cargo de importância para seu irmão, seu líder diz ao responder ao Radar sobre uma posição insatisfação dos partidos aliados que ficariam sem cargos no Governo com a reforma administrativa, o seguinte: “Não se faz omelete sem quebrar os ovos”. E pra não dizerem que o Radar também anda “montando” gravação de conversa – tipo a do traficante com o subsecretário de Justiça – e mudando o contexto da situação, lá vai na íntegra a pergunta feita pelo Radar, e a resposta dada pelo líder do Governo, deputado Sidney Leite sobre a reforma administrativa do Governo:

No momento da pergunta do Radar, o líder do Governo falava sobre a reforma administrativa com corte no número de secretarias e fusão de outras

Radar: Mas o governador não vai insatisfazer aliados com essa reforma? Afinal será que o PSB que o poiou no segundo turno veio de graça (sem querer lugar no Governo). E pessoal do PT que deixou de apoiar o candidato do partido (Braga) para se unir ao governador não vai querer seus cargos de volta?

Líder do Governo: O processo político é um processo de construção. Mas, o governador assumiu isso. Ninguém cobrou dele: diminua o tamanho do Governo! Ele assumiu esse compromisso por ele próprio. E o professor Melo tem habilidade suficiente, afinal de contas ele está no Estado e ajudou vários governos, inclusive o do senador Eduardo Braga, o próprio Amazonino e agora no governo de Omar. Agora, tem uma coisa, não se faz omelete sem quebrar os ovos. E essa é uma decisão (reforma administrativa) que ele se auto impôs”. (Any Margareth)