Retrato da fome: moradores de Humaitá invadem lixão e desenterram frango descartado pela Adaf (ver vídeos)

O frango tinha como origem a cidade de Canutama, no interior do Amazonas

 

Foto: reprodução internet

Circula na internet um vídeo em que mostra moradores da cidade de Humaitá ( a 590 km de Manaus) desenterrando do lixão uma carga de frango estragada que havia sido apreendida e descartada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf). (veja vídeos no final da matéria).

A cena que mostra homens e mulheres cavando o solo do lixão para desenterrar o frango, escancara a gravidade da fome no Amazonas. No vídeo pessoas de todas idades colocam em suas sacolas o lixo que possivelmente será a refeição de suas famílias. No lixão não havia nenhum fiscal da Prefeitura de Humaitá para evitar que as pessoas continuassem cavando o lixão e pegando o alimento.

Origem da carga

A Adaf apreendeu cinco toneladas de frango no município na noite da última segunda-feira (10). A fiscalização constatou que o material era transportado sem nota fiscal e refrigeração.

Segundo a coordenadora da Unidade Local de Sanidade Animal e Vegetal de Humaitá, Nislene Molina, a carga havia saído de Rondônia e tinha como destino o município amazonense de Canutama (a 638 quilômetros de Manaus). A carga foi levada à lixeira municipal. O transportador recebeu uma multa de R$ 300.

Prefeitura de Humaitá realizou o descarte

Por solicitação da Adaf, a Prefeitura de Humaitá, administrada pelo prefeito Dedei Lobo (PSC), abriu uma vala no lixão da cidade para enterrar o frango apreendido, no entanto, as pessoas necessitadas iniciaram uma verdadeira corrida para conseguir o alimento.

Quanto mais a notícia se espalhava, mais pessoas chegavam no local na tentativa de garantir um pedaço do frango.

A forma como a Prefeitura de Humaitá descartou cinco toneladas de frango colocou a saúde da população em risco e até o momento nenhum órgão fiscalizador abriu uma investigação para apurar a responsabilidade do descarte do frango no lixão.

*Vídeos cedidos pelo jornalista Elcimar Freitas (Fato Amazônico)