Anúncio

Ricardo Nicolau se une aos governistas e votação da semana passada da Assembleia está anulada

O voto do deputado Ricardo Nicolau (PSD) foi o fiel da balança para que o Governo de Amazonino Mendes (PDT) tivesse sua primeira vitória na votação do Orçamento na Assembleia Legislativa do Estado (Aleam). Nicolau tem votado com a bancada de oposição e dos independentes, inclusive foi com o voto dele que foram aprovadas na turbulenta sessão plenária da quarta-feira passada, 20 de dezembro, as emendas de deputados como Alessandra Campelo (PMDB) e José Ricardo (PT) determinando pagamento de direitos trabalhistas para servidores da área de educação e da segurança.

Mas, desta vez, Nicolau mudou de lado. Alegou que foi por “questões técnicas”. Num discurso pra lá de longo, citou um monte de artigos, incisos, parágrafos…para justificar sua posição. Resumindo o disse me disse e o lero lero de Nicolau, ele que ajudou a aprovar as emendas, agora acha que elas podem “engessar o Orçamento” defendido pelo Governo do Estado. Ele apelou até pra uma frase muito usada em gestões passadas quando os deputados aprovavam o Orçamento igualzinho ao que o Governo queria: “deputados não podem criar despesas” – pelo jeito nem que seja pra cumprir as Leis trabalhistas, né mesmo gente?

E, com o voto de Nicolau, a votação ficou em 13 votos a favor de um requerimento feito pelos governistas questionando a legalidade do que foi aprovado na semana passada quando o presidente da Casa, David Almeida (PSD) desempatou as votações, votando com a oposição e contra o Governo. Contra o requerimento e pela legalidade das votações da semana passada, votaram 11 deputados. Se Nicolau tivesse permanecido com a bancada de oposição e dos independentes, haveria um novo empate nas votações em 12 a 12. O voto de desempate ficava mais uma vez com David Almeida.

Mas, como de costume, bastou algumas conversas pelos corredores da Casa Legislativa dos líderes de Amazonino com Ricardo Nicolau para que a coisa mudasse de figura. Agora eles não são mais doze, são treze.