Rotta repudia aumento no valor da tarifa de energia e mostra que consumidores serão penalizados duas vezes

rotta-repudio

O deputado Marcos Rotta (PMDB), presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Aleam (CDC-Aleam), repudiou o reajuste aprovado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). A partir do próximo sábado, 1º de novembro, os consumidores terão as contas de energia mais caras. Nas residências e no comércio, o reajuste aprovado é de 15,83% e para a indústria, o aumento é de 22,63%. Rotta demonstrou que consumidores serão penalizados duas vezes, tanto com o reajuste da tarifa de energia elétrica de suas residencias como com um possível reajuste nos preços de produtos finais da indústria e comércio.

“Não é justo que as agências reguladoras continuem fazendo o papel de representantes das empresas. Há uma inversão de valores com relação ao papel das agências. A Aneel deveria ser a primeira a impulsionar o grau de satisfação dos consumidores, tendo em vista a má prestação de serviços na capital e interior do Estado. Todos os dias, na Comissão de Defesa do Consumidor, recebemos reclamações dirigidas à empresa Amazonas Energia. Esse aumento médio de 18,62% é um absurdo e vai refletir, não apenas nas contas de energia, mas também no preço final de produtos vindos da indústria e do comércio. Esses setores deverão repassar esses valores tarifários ao consumidor, para não amargar prejuízos e isso não é justo”, lamentou.

A Eletrobras Amazonas Energia atende a quase 700 mil unidades de consumo no Estado. Este é o maior aumento na conta de energia dos amazonenses desde 2011, e o valor também é mais alto que a inflação registrada no período. Segundo a Aneel, o reajuste se deve ao aumento nos valores pagos pelas distribuidoras para compra e transmissão de energia, além de pagamento de encargos setoriais.