Sarampo: 13,4% do público-alvo de adultos entre 20 e 29 anos foi imunizado


Enquanto o Brasil enfrenta a Covid-19 e se prepara para voltar aos poucos à rotina pré-pandemia, que deixou 129.522 mortos e 4.238.446 infectados, outro antigo vírus preocupa: o sarampo.

Levantamento feito pelo (M)Dados, núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles, com base nos números do Sistema de Informação do Programa Nacional de Imunizações, do Ministério da Saúde, aponta que até agora, apenas 13,4% dos 34,3 milhões de brasileiros que têm entre 20 e 29 anos foram vacinados.

A faixa etária é um dos principais alvos da Mobilização Nacional de Vacinação contra o Sarampo, iniciada no último ano. Segundo o governo, são eles os mais vulneráveis à doença, já que tomaram apenas uma dose da vacina durante a infância, quando ainda não era preconizada a segunda dose.

Apesar disso, os números da campanha estão longe do ideal. A expectativa inicial era vacinar pelo menos 9,4 milhões de pessoas deste grupo, mas 2019 terminou com apenas duas milhões de aplicações. Em 2020, já foram pouco mais de 2,6 milhões de vacinados, ainda longe do esperado.

“A situação é preocupante. A gente tem, todos os anos, uma pequena parcela da população que não recebeu a vacina. Neste ano, uma parte muito maior. A somatória cria condições para que o vírus seja transmitido em quase todos os estados”, disse o epidemiologista e professor do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB) Jonas Brant. “A América já havia eliminado esse vírus. Essa epidemia, que ressurgiu no leste europeu e na Venezuela e chegou aqui, muda completamente o cenário. Por causa da transmissão sustentada no Brasil, a gente perde o certificado das Américas como um todo.”

Segundo o Ministério da Saúde, a principal medida de prevenção e controle do sarampo é a vacinação. O órgão disponibiliza a imunização durante todo o ano nos serviços de saúde do país.

“O Ministério reitera ainda a importância da vacinação e informa que tem ampliado as estratégias de conscientização da população, bem como ações junto a profissionais de saúde, com o objetivo de manter as altas e homogêneas coberturas vacinais e, consequentemente, reduzir os riscos de introdução e transmissão de doenças imunopreveníveis no país”, respondeu a pasta em nota.

Ainda de acordo com o órgão, diante da atual situação, o Ministério da Saúde tem desenvolvido ações em conjunto com os estados com o objetivo de interromper a circulação do vírus do sarampo. “Encontra-se em processo de elaboração o ‘Plano de Ação para Interrupção da Circulação do Vírus do Sarampo no Brasil, 2020’. Este plano tem como objetivo elencar as atividades fundamentais e necessárias aos três entes federativos, envolvendo vigilância, imunização, laboratório e assistência, para que se possa alcançar a eliminação do sarampo no país”, finaliza.

Situação no Brasil

O sarampo voltou a assustar o Brasil em 2018, quando registrou 10.330 casos, com 12 mortes. Já em 2019, 18.203 casos foram confirmados no país e 15 óbitos foram registrados: um em Pernambuco e 14 em São Paulo. Em 2020, até 17 de agosto, 7.718 contaminações foram contabilizadas em 21 estados, cinco deles com o vírus ativo em circulação. Entre eles, o maior número (2.407) tem entre 20 e 29 anos.