Se dá pra salvar banqueiro, tem que dar pra salvar trabalhador

Foto: Reprodução

É impressionante como o Governo Federal – não estou falando só do governo do Messias, se bem que esse o faz descaradamente – sempre dá um jeito, e sem reclamar, de salvar os banqueiros de uma quebradeira, enquanto que é o maior chororô quando se trata de salvar os trabalhadores de atingirem tais níveis de miséria que não tenham sequer a comida para dar à família.

E que ninguém entenda, por favor, que estou dizendo que o Governo Federal não deva evitar uma possível quebradeira do sistema bancário, sei o que isso significaria para a economia e não sofro da ideia simplista e ignorante de que os banqueiros são os “vilões” da sociedade.

Mas se dá pra salvar banqueiro, tem que dá pra salvar trabalhador. Afinal, sem o trabalhador vai todo mundo pra bancarrota, inclusive os bancos e o governo federal. É só ver o desespero daqueles que se acham ricos e bem nascidos pro retorno da “peãozada” pros postos de trabalho mesmo com o perigo de se contaminarem e irem parar no caótico sistema público de saúde. Afinal, como diz a campanha do Governo de Messias Bolsonaro e seus correligionários “O Brasil não pode parar”, de arrecadar impostos para o Governo e dinheiro pra conta dos empresários.

Mas, voltando ao “salvamento” feito pelo Governo Federal aos bancos, na crise de 2008, o Banco Central liberou R$ 117 bilhões para os bancos brasileiros. Esse valor, segundo matéria dos jornalistas Gabriel Shinohara e Manoel Ventura, do G1, é menos de um décimo do pacote anunciado pelo Banco Central durante esta crise provocada pela pandemia de coronavirus. O BC anunciou novas medidas para injetar recursos no sistema financeiro cuja estimativa é de R$ 1, 2 trilhão. Vale lembrar também que, ano passado, Messias Bolsonaro enviou ao Congresso Nacional, um projeto que previa o uso de dinheiro público para socorro aos bancos em dificuldade.

Mas quando se trata do trabalhador se vê gente do Governo fazendo conta de todo jeito, preocupado com R$ 200,00 para trabalhadores informais, que acabou virando R$ 600,00 por pressão do Congresso Nacional, o mesmo Congresso Nacional que o presidente acusa de prejudicar o país e o “gado” corre atrás dele repetindo a mesma coisa. Para salvar o trabalhador, o governo não é rápido como é com os bancos e conta trocados. Mas é bom parar com isso, porque se os trabalhadores acabarem enxergando o valor que têm podem deixar os que se acham ricos e bem nascidos nesse país sem as mordomias e privilégios, sem dinheiro pra ir sequer pra Disney, local que o ministro da economia disse ser frequentados em outros tempos pelas empregadas domésticas.