SEC atende mais de 150 artistas na primeira edição da oficina de elaboração de projetos

Durante três dias, mais de 150 artistas, produtores e gestores culturais da capital e do interior do Amazonas participaram da primeira “Oficina de Elaboração de Projetos”, promovida pela Secretaria de Estado de Cultura (SEC), em parceria com a Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural (AADC), no Palacete Provincial.

No encerramento da oficina, na última quinta-feira (31/1), o secretário estadual de Cultura, Marcos Apolo Muniz, ressaltou que a ação marcou o início do projeto de incentivo ao empreendedorismo cultural do Governo do Amazonas, um dos pilares desta gestão.

Ele anunciou os temas das próximas oficinas que darão continuidade ao projeto: “Produção executiva de eventos de rua”, destinada aos vários segmentos que desenvolvem atividades culturais em ambientes públicos; “Mecanismos de contratos e pagamentos da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas e da Agência Amazonense de Desenvolvimento Cultural”, que tem como objetivo explicar como funciona toda a mecânica burocrática da SEC e da AADC; “Financiamento de equipamento para produção cultural”, em parceria com a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam); além da segunda edição da “Oficina de elaboração de projetos culturais”, para atender uma lista de espera que não pode ser absorvida no primeiro evento. As datas e abertura de inscrições serão divulgadas em breve, informou Marcos Apolo.

Apolo destaca que a SEC quer oferecer, dentro das possibilidades, mais oportunidades de qualificação para os agentes culturais do estado. “Sabemos que muitos artistas já têm um perfil empreendedor, participam de projetos, de editais, mas queremos ampliar esse alcance, disponibilizando as ferramentas necessárias”, pontuou.

O curso

Ministrado pelo produtor cultural Ewerton Almeida, da AADC, o curso objetivou a elaboração de projetos para editais de fomento às políticas públicas culturais. Foram abordados temas, como roteiro de elaboração de projetos, apresentação, estratégias de ação, previsão de duração/período de realização, plano de distribuição dos produtos culturais, plano para divulgar/comunicar o projeto, orçamento, orientações sobre captação de recursos e prestação de contas.

Ewerton destacou que a iniciativa teve resultado muito positivo. “Surgiram muitas dúvida e conseguimos sanar. Mas o grande ponto da oficina foi trazer o pensamento lógico da elaboração de projetos. Além do roteiro de constituição do documento, do projeto em si, a gente também atentou para essa questão do pensamento lógico da visão da pessoa que elabora projetos. O nosso grande objetivo foi alcançado”, afirmou.

Com informações da SEC.