Segunda etapa da vacinação contra febre aftosa inicia nesta quinta-feira

A segunda etapa da campanha “Amazonas Sem Febre Aftosa” inicia nesta quinta-feira (1°) em 21 municípios do Estado. Nessa etapa, em 19 municípios a vacinação deverá ser realizada em bovídeos em até 24 meses. Somente em Guajará e Boca do Acre, a vacinação será realizada em todo rebanho.

A campanha dos 21 municípios abrange: Apuí, Barcelos, Canutama, Carauari, Eirunepé, Envira, Humaitá, Ipixuna, Itamarati, Juruá, Lábrea, Manicoré, Novo Airão, Novo Aripuanã, Pauini, Presidente Figueiredo, Santa Isabel do Rio Negro, São Gabriel da Cachoeira e Tapauá, Boca do Acre e Guajará.

A expectativa é que sejam imunizados mais de 500 mil animais entre bovinos e bubalinos até o final dessa fase, no dia 30 de novembro. A ação é coordenada pela Agência de Defesa Agropecuária e Florestal do Amazonas (Adaf), com o apoio do Instituto de Desenvolvimento Agropecuário Florestal e Sustentável (Idam), órgãos vinculados à Secretaria de Estado e Produção Rural (Sepror).

De acordo com a Adaf, na última etapa de maio foram vacinados 626.936 animais. A cobertura vacinal atingiu 99,08%. Atualmente, o rebanho do Estado é de 1.384.241 animais. Os municípios com maior número de animais são Boca do Acre (377.860 de cabeças), Apuí (135.859) e Manicoré (106.886).

A vacina pode ser adquirida, em casas agropecuárias credenciadas pela Adaf, ou nos municípios que não possuem esses estabelecimentos, nos escritórios do Idam. O preço médio da dose (5 ml) da vacina oscila entre R$ 1,50 e R$ 2,20.

Quem não vacina e não notifica está passível a penalidades como multa. Não pode, ainda, retirar Guia de Trânsito Animal (GTA) – documento obrigatório para o trânsito de animal para qualquer finalidade, dentro e fora do Estado. Além disso, fica impedido de participar de eventos agropecuários.

No Amazonas, a multa é de R$ 40 por cabeça de gado não imunizado, além de R$ 300 por propriedade e pagamento dos custos de deslocamento para a equipe da Adaf realizar a vacinação, de acordo com a Lei nº 2.923, de 27/10/2004; e Decreto nº 25.583, de 28/12/2005.

Com informações do Adaf.