“Sem a ZFM não há Amazônia, e sem Amazônia não há futuro” diz Arthur após novo decreto de Bolsonaro (ver vídeo)

O novo decreto promulgado na véspera de feriado confirmou o ataque anunciado do presidente Jair Messias Bolsonaro à Zona Franca de Manaus

Foto: reprodução

“Sem a Zona Franca de Manaus não há Amazônia, e sem Amazônia não há futuro”, afirmou o ex-prefeito de Manaus e ex-senador do Amazonas Arthur Virgílio Neto em vídeo, por meio de suas redes sociais nesta sexta-feira (15) após novo decreto de Bolsonaro, publicado nas vésperas do feriado, que confirmou a redução do Imposto de Produtos Industrializados em 25% em todo o país, sem excepcionalizar os produtos da Zona Franca de Manaus.

“Estou saindo de uma igreja. Mas sou obrigado a dar uma opinião rápida: estão fazendo o presidente errar. Isso traz prejuízos para os empregos daqui, para a segurança jurídica pois tem fábrica que não sabe mais se vem, se reduz seus funcionários. Pois cria-se a dúvida porque é a terceira vez que sai esse mesmo decreto. É como quem diz assim: é para valer, e para sempre. E a redução do IPI ele prejudica demais a competitividade dos produtos da Zona Franca e ameaça os 500 mil empregos diretos e indiretos da ZFM.”, afirmou Arthur Neto.

Além de criticar a nova medida que mais uma vez fere de morte a ZFM, Arthur Neto conclama o país para que lute com o Amazonas, e chama os brasileiros para a reflexão de que a Amazônia e sua preservação também precisa do fortalecimento da Zona Franca de Manaus.

“O Brasil precisa lutar conosco. Eu podia dizer, venha Amazonas para a luta. Mas eu digo venham brasileiros para a luta. Vocês têm que entender que sem a Amazônia não tem futuro. E nós somos o principal meio de enfrentamento ao aquecimento global, com a floresta em pé. E portanto, com a Zona Franca fortalecida.”, finalizou Arthur Neto.