Sem energia elétrica, médicos do Platão Araújo atendem apenas casos graves (ver vídeo)

Um vídeo enviado ao Radar, nesse sábado (9), mostra o Hospital e Pronto Socorro Dr. João Lúcio, na zona Leste de Manaus, sem energia elétrica. Segundo a denúncia, os médicos estão atendendo apenas os casos considerados mais urgentes. (Ver vídeo no final da matéria)

O atendimento de rotina do hospital foi suspenso porque não há iluminação. Além de problemas como a falta de medicamentos, médicos e materiais para cirurgias, os pacientes agora enfrentam o calor.

No vídeo é possível ver a unidade de Saúde no ‘escuro’, sendo necessário que os servidores e pacientes internados usem lanternas para andar nas dependências do hospital, que não possui gerador.

“O Platão Araújo sem energia nos consultórios, os médicos aqui todos nos seus postos de trabalho atendendo apenas os casos graves. Esse é o descaso com saúde do Amazonas desse Governo. Um hospital de grande porte sem gerador”, relata o interlocutor no vídeo.

Em nota divulgada à imprensa, a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), confirmou a falta de energia no Hospital João Lúcio e alegou que o problema foi causada por um rompimento de um cabo elétrico que conduz energia da rua para dentro da unidade. Ainda segundo a nota, a Susam já adotou providências e o gerador da unidade está funcionando.

Confira a nota na íntegra

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informa que, tão logo tomou conhecimento sobre a falta de energia no Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo, adotou as providências para garantir que o atendimento aos pacientes não fosse comprometido. A situação se mantém sob controle, inclusive com a possibilidade de remoção de pacientes da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para outras unidades da rede estadual de saúde, se necessário.

O gerador da unidade está funcionando e a secretaria está providenciando geradores portáteis para a UTI, caso haja necessidade, e também já fez contato com a Manaus Energia, que garantiu o restabelecimento da energia para a unidade em, no máximo, uma hora.

O problema foi causada por conta do rompimento de um cabo elétrico que conduz energia da rua para dentro da unidade.

Um engenheiro elétrico da Susam está no hospital acompanhando a situação.