Semsa, Estado e Ministério da Saúde discutem estratégias de combate ao sarampo

A Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Secretaria de Estado do Amazonas (Susam), da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS-AM) e do Ministério da Saúde, alinham em reunião nessa terça-feira (30), às ações de combate ao sarampo.

De acordo com o 34º Informe Epidemiológico de Monitoramento de Casos de Sarampo, divulgado na última segunda-feira (29), apontou que Manaus registrou, desde fevereiro, 8.315 casos notificados, sendo 1.427 confirmados, 489 descartados e 6.399 em investigação (aguardando resultado laboratorial).

A reunião aconteceu na sede da FVS, localizada na avenida Torquato Tapajós, bairro Colônia Santo Antônio, zona Norte.

Segundo o diretor do Departamento de Vigilância de Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, André Luiz de Abreu, explicou que a reunião foi organizada para a avaliação das ações de enfrentamento ao sarampo e do atual cenário epidemiológico em Manaus e no Amazonas, com a apresentação das estratégias executadas, identificando o que ainda precisa ser feito para chegar ao fim do surto da doença.

“Mesmo com a redução no número de casos notificados como suspeitos nas últimas semanas, a recomendação é para a continuidade do alerta contra a doença. O trabalho não pode ser suspenso, as pessoas precisam continuar atentas, a rede de Atenção Básica deve prosseguir de forma atuante, assim como as ações de vacinação, de processamento de exames e da vigilância epidemiológica”, reforçou André Abreu.

Durante a reunião, a diretora do Departamento de Vigilância Ambiental e Epidemiológica (Devae/Semsa), enfermeira Marinélia Ferreira destacou que casos notificados de sarampo vem apresentando uma redução a cada semana.

“Esse é o resultado das ações que foram executadas pela Prefeitura de Manaus com a varredura de casa em casa para vacinação, intensificação de ações nas Unidades de Saúde e nas escolas. Houve aumento também da procura espontânea pela vacina nas Unidades de Saúde. Agora, com a redução dos casos, outras estratégias precisam ser seguidas ou reforçadas”, destacou Marinélia.

Ações de combate

Entre as ações, a Semsa tem investido em dois pontos principais. O primeiro é reforçar ainda mais a vacinação direcional para as crianças que estão completando seis meses de vida, quando deve ser aplicada a dose de vacina de proteção, seguida do início da vacinação de rotina aos 12 meses e com uma nova dose aos 15 meses de idade.

Juntamente com esse trabalho, a Semsa continuará as ações de sensibilização para que as pessoas procurem uma Unidade de Saúde para a atualização do cartão de vacina, redobrando também o trabalho de busca ativa entre a população.

“A vacina é recomendada para a faixa etária de seis meses a 49 anos, mas ainda existe um grupo, especialmente de adolescentes e jovens adultos, que não estão protegidos contra a doença. São pessoas que não receberam a vacina ou que precisam completar o esquema vacinal. Com a maior vacinação desses grupos, haverá uma redução significativa dos casos entre as pessoas mais suscetíveis, principalmente crianças”, esclareceu Marinélia Ferreira, lembrando que no período de 7 a 20/10, as crianças menores de um ano representaram 40,8% do total de 49 casos suspeitos de sarampo notificados.

A lista com as 183 salas de vacina do município de Manaus está disponível no site da Semsa (http://semsa.manaus.am.gov.br).