“Será que isso significa dizer que os juízes que votaram pela cassação de Melo são desonestos?”, diz o líder do PMDB

Vicente e Belão

Em resposta aos deputados da base aliada do governador José Melo (PROS) que escreveram em um manifesto que “as acusações contra o governador claramente revelam a motivação de perseguição política”, o líder do PMDB no Poder Legislativo estadual, deputado Vicente Lopes, classificou o posicionamento de colegas parlamentares governistas como um desrespeito ao magistrados que, na sua opinião, nada mais fizeram que fundamentarem seus votos nas provas que existem nos autos onde está demonstrado, “sem sombra de dúvidas” que houve crime eleitoral.

Será que, quando eles (deputados) falam nesse manifesto em perseguição política, isso significa dizer que os juízes que votaram a favor da cassação estão sendo perseguidores e desonestos? Ou votaram de acordo com as provas que estão nos autos? Será que eles assinariam uma nota de repúdio aos votos dos magistrados que acolheram a denúncia de acordo com seus entendimentos da Lei eleitoral?, questionou

O parlamentar se contrapõe ainda as declarações de que a cassação do governador é um desrespeito à vontade popular. “Desrespeito à vontade popular é sobrepujar a decisão das urnas usando todo tipo de artifício ilegal. A luta do PMDB é pra fazer valer o direito do cidadão, do eleitor, que tem o direito de votar e ver o resultado dessa eleição ser fruto do convencimento, e não da prática de atos ilícitos. O que o PMDB busca é a Justiça, o resultado justo da eleição”, enfatizou Vicente Lopes.

Do mesmo modo, Vicente Lopes critica seus colegas de Parlamento que se apegam no discurso em defesa da Democracia pra ser contra a cassação do governador por compra de votos, mas esquecem propositalmente que “a Democracia não permiti a prática de crimes para obtenção do resultado eleitoral, principalmente quando se usa a máquina pública, quando se usa recurso público em benefício pessoal. Para exemplificar o que estou dizendo, basta que se faça uma análise dos repasses feitos às prefeituras do interior do Estado nos últimos três anos e meios em relação aos seis meses que antecederam a eleição”, refuta o líder do PMDB.

Belão e o PMDB

Comentando o fato do vice-presidente da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam), deputado Belarmino Lins, o Belão, do PMDB, ter assinado o manifesto em apoio ao governador José Melo, e ainda dizer que Melo estaria sendo vítima de perseguição política, o líder do PMDB, Vicente Lopes endurece o discurso: “Esse é o pensamento do deputado Belarmino Lins, não é o pensamento do PMDB, e a função de vice-presidente que ele ocupa na Casa não foi por escolha do PMDB, mas por um acordo, um entendimento, entre ele e o governador. Ele não representa o PMDB porque o PMDB não o escolheu”. (Any Margareth)