Serafim denuncia situação precária do IML e pede reforma do órgão ao Governo do Amazonas

Foto: divulgação

A situação precária do Instituto Médico Legal (IML) de Manaus, foi denunciada pelo deputado estadual Serafim Corrêa (PSB). A Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), órgão vinculado ao Governo do Estado, é responsável por realizar necropsias, laudos cadavéricos, exumação e exames de corpo de delito. O parlamentar pediu para que o Governo do AM faça uma vistoria urgente no órgão para dar início o quanto antes à reestruturação do local. O Radar noticiou, em 2019, a denúncia de peritos criminais sobre a estrutura precária do IML.

“Tive conhecimento hoje, através de um farto material, das precárias condições em que se encontra o Instituto Médico Legal. Eu entendo que a perícia, o IML, é a base para resolver, para equacionar, para descobrir os crimes, mas se o IML está desestruturado, se falta material, se as condições de trabalho são adversas, isso não irá acontecer”, disse Serafim.

“Diante do que eu vi apelo daqui da ALE-AM ao secretário de Segurança Pública, coronel Louismar Bonates, no sentido de que ele determine a sua equipe que faça uma inspeção imediata do IML e que adote as providências para resolver aquele problema que é muito preocupante. Este é o apelo que faço sobre as precárias condições do IML”, finalizou o deputado.

Estrutura antiga e inadequada

Conforme noticiado pelo Radar, um enorme relatório de vistoria realizado pelo Sindicato dos Peritos Oficiais do Estado do Amazonas (SINPOE/AM), em 16 de outubro de 2020, alertou problemas “crônicos” no local, como por exemplo, uma estrutura física obsoleta, antiga e inadequada para realização de exames periciais; problemas elétricos; falta de insumos; depósito e armazenagem de material relacionado a crime de forma inapropriada; falta de EPI’s; descarte de material biológico e dejetos sem qualquer tipo de tratamento; obstrução de corredores e extintores de incêndio vencidos”, diz trecho do relatório.

A deficiência estrutural apontada, segundo o SINPOE/AM, se repetem em laudos dos conselhos de classe – Conselho Federal de Medicina, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia, Conselho Regional de Farmácia, Conselho Regional de Odontologia, Conselho Regional de Química e Conselho Regional de Biologia, no ano de 2019.

“Dessa forma, observa-se que, embora a situação seja grave, inclusive colocando em risco a vida dos servidores que lá desenvolvem suas atividades, pouco se fez para resolver o problema crônico dos Institutos que compõem o DPCT/AM (Departamento de Polícia Técnico-Científica do Estado do Amazonas)”.

(*) Com informações da assessoria