Serafim diz que aumento do combustível é de responsabilidade de Bolsonaro e não de ex-ministro

O parlamentar relembrou as demissões do ex-presidente da Petrobras, Joaquim Luna, e do ministro Albuquerque, exonerado na última quarta-feira (11), após o anúncio da subida de 8,8% do diesel

Foto: Divulgação

O deputado estadual Serafim Corrêa (PSB) disse, nesta quinta-feira (12), que os aumentos excessivos nos preços dos combustíveis, anunciados pela Petrobras, são de responsabilidade do presidente Jair Bolsonaro (PL) e não do ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, exonerado da pasta recentemente.  O discurso do parlamentar ocorreu na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

“Com certeza o que mais agonia o povo brasileiro neste momento é a inflação e um dos itens que puxa a inflação para cima é o aumento constante dos combustíveis, principalmente do óleo diesel, que é a base do transporte brasileiro. E isso, por consequência, aumenta o custo das mercadorias. Isso está sendo sentido por todos nós nas bombas, nos supermercados e no dia a dia de todos nós. É algo que o presidente da República faz de conta de que a culpa é dos outros, que não é dele”, disse Serafim.

O parlamentar relembrou as demissões do ex-presidente da Petrobras, Joaquim Luna, e do ministro Albuquerque, exonerado nessa quarta-feira (11), após o anúncio da subida de 8,8% do diesel.

“Outro dia, a Petrobras aumentou e demitiu o presidente da Petrobras, ele [Bolsonaro] quis dizer que a culpa é da Petrobras. Aí a Petrobras aumenta de novo e o presidente demite o ministro de Minas e Energia. Aí a Petrobras anuncia um lucro de R$ 44 bilhões em um trimestre. Olha aí… Quem é o presidente da Petrobras?  Quem é em última análise o responsável pelo que de bom e ruim acontece no país? É o presidente da República. Venho aqui alertar a todos, porque tem gente embarcando nessa canoa para dizer: ‘Olha o presidente não tem culpa. A culpa é do ministro’. Aí a Petrobras anunciou o aumento de 8,8% no diesel. Será que a Petrobras vai demitir o outro diretor?”, questionou.