Anúncio

Serafim diz que Exame retificou declarações de Marcos Troyjo: “falou de ZPEs e não da ZFM”

Foto: divulgação

Através de sua página oficial, o Blog do Sarafa, o deputado estadual, economista e auditor fiscal, Serafim Corrêa (PSB) fez uma retificação no discurso que fez da tribuna da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), na sessão plenária dessa quinta-feira (20), baseado em matéria da revista Exame, sobre declarações que teriam sido feitas pelo secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia do Governo de Bolsonaro, Marcos Troyjo.

Serafim deixou todos em sobressalto ao dar a entender que mais um membro da equipe econômica do Governo de Bolsonaro, no caso o o secretário especial Marcos Troyjo, teria seguido o contumaz discurso do ministro da Economia, Paulo Guedes, que vira e mexe larga a peia na Zona Franca de Manaus e em seus incentivos fiscais. O parlamentar esclareceu, nesta sexta (21), que a própria revista retificou a matéria, dizendo que, na verdade, a fala de Troyjo tratava-se de Zonas de Processamento de Exportações (ZPE), algo bem diferente do nosso modelo.

No texto, Serafim escreveu que, primeiramente, a revista publicou como declarações do secretário Tryjo o seguinte: “China e Coreia do Sul tiveram acordos preferenciais com os Estados Unidos, por exemplo. Não adianta fazer uma zona de incentivo, como a Zona Franca de Manaus, sem garantir um acesso a um grande mercado. Os benefícios em troca dos incentivos são pequenos.”

Durante a sessão plenário, o deputado rebateu as declarações do secretário e chegou a fazer um alerta na Assembleia Legislativa sob os riscos desse tipo de discurso do Governo para a ZFM.  “Desde a campanha eleitoral de 2018, disse isso (fim da Zona Franca de Manaus no governo de Bolsonaro) de forma clara e fui linchado nas redes sociais. Pois eu reitero agora, o plano do Governo Federal é acabar com a Zona Franca de Manaus. Isso está muito claro”, disse Serafim, na ocasião.

No entanto, o parlamentar relatou que no mesmo dia, o secretário Marcos Troyjo, “de forma muito educada e elegante” ligou,  alegando que aquilo que tinha dito foi bem diferente e que a revista Exame retificou o trecho da entrevista nos seguintes termos:

“A China e a Coreia do Sul, nos anos 80, passaram a gozar de um acesso privilegiado a um grande mercado comprador; a China, desde 1979, passou a gozar do status de nação mais favorecida no seu comércio com os Estados Unidos”, afirmou, quando perguntado sobre a estruturação de ZPEs no Brasil. “Se você faz uma ZPE, mas não obtém o acesso dessa plataforma de exportação a um grande mercado comprador, a efetividade dela é pequena.”

Troyjo mencionou, entretanto, que isso não é o caso da Zona Franca de Manaus. “Ela estava vinculada a um outro modelo histórico, de ocupação daquela região, e é algo que vai ficar juridicamente conosco durante muito tempo.”

Sob o episódio Serafim diz o seguinte: “Faço este registro por uma questão de Justiça e para que a verdade, distorcida pela Exame, seja restabelecida”, finalizou Serafim Corrêa.