Serafim diz que programa “Renda Certa” nada mais é que compra de votos com dinheiro público

Às vésperas da campanha eleitoral, o governador Amazonino Mendes lançou nessa quarta-feira (2), o programa social “Renda Certa”, que foi classificado pelo deputado Serafim Corrêa (PSB) como “compra de voto”. O projeto vai tirar R$ 38 milhões dos cofres estaduais para ser distribuído a pessoas físicas, microempreendedores, associações e cooperativas.

“Nenhum de nós aqui é criança. “Renda Certa” é um programa que melhor seria chamar de “Voto Certo”. Distribuir R$ 38 milhões, sendo R$ 1 mil para cada pessoa, às vésperas da eleição, é compra de voto com o dinheiro público”, advertiu Serafim.

Segundo a Secretaria Estadual de Comunicação (Secom), o programa vai ser coordenado pelo Fundo de Promoção Social e Erradicação da Pobreza (FPS), tendo como agente financeiro a Agência de Fomento do Estado do Amazonas (Afeam).

Para Serafim, ao lançar o programa antes da campanha eleitoral, Amazonino deixa claro o seu objetivo de usar recursos públicos para agrupar eleitores.

“Eu espero que providências sejam adotadas pelos órgãos de controle, porque é muito simples: O programa poderia ser implantado só a partir de 1° de novembro, depois das eleições. Aí não teria mais nenhum problema. Agora iniciar um programa como esse, de clara distribuição de dinheiro público para eleitores, isso é compra de voto”, sustentou o deputado.

Segundo ele, a conduta do chefe do poder executivo deveria colocar em estado de alerta os Ministérios Público Eleitoral (MPE), Estadual (MP-AM) e de Contas (MPC-AM).

“Só não vê isso (compra de voto) quem não quer, eu chamo a atenção aqui do Ministério Público Eleitoral, Ministério Público Estadual e Ministério Público de Contas, órgãos pagos pelo povo brasileiro, que investiguem. Ou será que não estão vendo que isso é compra de voto? Porque se eles disserem que não estão vendo que isso é compra de votos é a absoluta cegueira, a cegueira total”, concluiu Corrêa.