Servidores públicos são convocados pelas redes sociais para participarem de manifestação em apoio ao governador

Pedro solda 2

Clique na imagem para ampliar

Uma mensagem no WhatsApp convoca: “Senhores diretores, estou convocando-os para a abertura dos trabalhos legislativos na assembleia legislativa com a leitura da mensagem do senhor governador. Pedido do Dr. Pedro Elias”. O “pedido” é de ninguém menos que o secretário de Saúde do Estado, Pedro Elias, – dizem que um dos principais requisitos do currículo é ser genro de um dono de jornal –  que, apesar do caos que se instalou na Saúde do Amazonas, parece estar mais preocupado em organizar manifestação de apoio ao governador – dá pra ele ir dar um apoio pro pessoal que tá lá no corredor do João Lúcio?

Em mais uma tarefa para arrebanhar participantes para ato de apoio ao governador do Estado, um perfil no Instagram denominado Melomania90 passou o final de semana fazendo uma “convocação geral para todos os amigos e apoiadores” participarem da “grande mobilização de apoio ao governador Jose Melo” que será realizada, nesta segunda-feira, 01 de fevereiro, quando haverá a leitura da Mensagem Governamental na abertura dos trabalhos legislativos”.

fili 1Já essa convocação, confidenciam fontes do Radar, teria por trás o Movimento Democrático Estudantil – aquele que tem lideranças que chegam aos 40 anos sendo estudante e que sempre conseguem um cargo público –, junto com o subsecretário de Trabalho da Prefeitura de Artur Neto, Vicente Filizzola – aquele que ganha R$ 15 mil, mas gazeta o trabalho desde os tempos da campanha de reeleição do governador José Melo, quando servia de cabo eleitoral, e que agora é organizador das manifestações “Fica Melo”, como por exemplo, em frente ao TRE no dia julgamento do governador.

E contam essas mesmas fontes que lá pelas bandas da periferia a “convocação” ´é feita na base dos R$ 50,00 pra quem aceitar ir pra frente da Assembleia Legislativa gritar “Fica Melo”, e segurar faixas com frases como, “Deixa o Melo trabalhar” e “Respeitem a vontade do povo”. E os “manifestantes” ainda têm direito até a ônibus e água de graça. (Any Margareth)