Sí se puede: Costa Rica vence a Itália e se classifica no grupo da morte

costarica44444

Os gritos de “Sí se puede” (Sim, podemos) funcionaram como um mantra. Uma espécie de sonho, um desejo enorme de vencer e conquistar algo que, para os outros, soava como impossível. Se o Grupo D é da morte, problema dos campeões mundiais, próximos de um vexame histórico – a Inglaterra está eliminada. A vitória por 1 a 0 sobre ninguém menos que a tetracampeã Itália leva a Costa Rica para as oitavas de final pela segunda vez na história da Copa do Mundo e coloca fogo na última rodada. Teve até “olé”. Sim, eles conseguiram.

O triunfo sobre o Uruguai na estreia deixou de ser uma surpresa. No embalo de uma torcida que brotou de todos os cantos da Arena Pernambuco, a Costa Rica voltou a jogar bem e foi quase impecável na marcação que anulou Pirlo. Bryan Ruiz marcou de cabeça no fim do primeiro tempo, logo depois de o árbitro ignorar um pênalti claro de Chiellini em Campbell.

Balotelli, que pediu um beijo da Rainha Elizabeth se marcasse e salvasse a Inglaterra da eliminação, pagou com a língua. Sem vencer os dois primeiros jogos de um Mundial desde 1990, a Itália poderia sair de campo praticamente classificada se não fosse o pé torto de seu principal goleador. Foram três chances claras desperdiçadas, todas na etapa inicial. Os europeus também fraquejaram diante dos quase 30 graus. A Fifa ignorou os pedidos e não permitiu a parada técnica.

A terceira rodada será como uma decisão. Itália e Uruguai se enfrentam, terça-feira, às 13h, na Arena das Dunas, em Natal. A Azzurra joga pelo empate por ter zero gol de saldo contra um negativo da Celeste. Quem vencer, avança. A Costa Rica, no mesmo dia e horário, cumpre tabela contra a Inglaterra, no Mineirão.

Para a Costa Rica, calor só da torcida

Esqueça o calor, a umidade e qualquer outro componente que possa atrapalhar o desempenho de um time de futebol. A Costa Rica ignorou a todos. Correu como se espera de um time tecnicamente inferior, mas que vê nos 90 minutos seguintes uma chance, talvez, única de fazer história e se classificar no Grupo da Morte. O desvio de cabeça de Borges, quase marcando no início, inflamou ainda mais a torcida, maioria nas arquibancadas, com os gritos de “Sí se puede” (Sim, podemos). E eles puderam.

A Itália sofreu uma barbaridade com a marcação avançada dos rivais. A Costa Rica fez o básico: adiantou seus jogadores para travar a saída de bola de Pirlo e correu por todos os lados, todos os cantos, impedindo a Azzurra de acionar seu craque e chegar ao campo de ataque. De Rossi, Chiellini e Barzagli cansaram de tocar a bola sem saber o que fazer com ela. Campbell estava ali, pronto para assustar de novo.

Manter o ritmo frenético de marcação, porém, seria impossível com os quase 30 graus da Arena Pernambuco. Foi aí que a Itália começou a jogar. Pirlo ganhou espaço e fez a equipe crescer. Só faltou Balotelli jogar. O herói da estreia acumulou gols perdidos, chances claras: de voleio quase na pequena área, de cobertura cara a cara, chutando livre da entrada da área…E os italianos cansaram.

A Costa Rica conseguiu um fôlego extra nos minutos finais. Suficiente para ficar em vantagem no placar. Antes, jogadores e torcedores costarriquenhos foram à loucura. Campbell arrancou e foi derrubado por Chiellini na área. Pênalti claro não marcado pelo árbitro chileno Enrique Osses. Logo depois, aos 44, o gol. Díaz cruzou da esquerda, a defesa italiana parou e Ruiz desviou. A bola ainda bateu no travessão antes de entrar.

Segundo tempo é vez de Navas brilhar

Cesare Prandelli abandonou o esquema 4-1-4-1 e mandou a campo uma formação mais ofensiva no segundo tempo. O meia-atacante Antonio Cassano ocupou o lugar de Thiago Motta e fez a Azzurra acabar com a morosidade da etapa inicial. Navas, porém, apareceu. Um dos ídolos da Costa Rica, o goleiro salvou em chutes de longe de Darmian e Pirlo.

A empolgação azul acabou gradativamente Os Ticos rapidamente acertaram a marcação sobre Cassano e Balotelli e impediram novas jogadas de perigo. Prandelli mudou de novo para tentar abrir a defesa rival. Colocou o baixinho Insigne para correr pela esquerda. Depois, escalou Cerci pela direita. De nada adiantou.

Nas arquibancadas, os costarriquenhos se dividiam entre os gritos de “olé” e o “Sí se puede”. Era como se uma parte já sentisse a vitória próxima, e a outra não quisesse qualquer sinal de menosprezo diante de um adversário tão tradicional. Jorge Luis Pinto também trocou, colocando Cubero, Ureña e Brenes para reforçar a marcação e encontrar um contra-ataque mortal.

A Itália parecia conformada com o resultado. Não pressionou como se esperava, talvez não tivesse pernas para isso. Insigne ainda apareceu na entrada da área, mas mandou a bola nas nuvens. Brenes, nos descontos, ainda arrancou um “uuuhh” da torcida com um chute colocado, que passou raspando. Era o que faltava para a festa costarriquenha começar em Pernambuco. Estragou o seu bolão? O meu também!

Fonte: GE