Sinetram ignora decisões da Justiça e permanece com o novo sistema de bilhetagem no transporte coletivo de Manaus

As paradas de ônibus ficaram lotadas e as informações são de que os problemas nas catracas continuam

Foto: Geovani Leite/ Radar Amazônico

Mesmo com recursos rejeitados, um deles inclusive pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas (TJAM), desembargador Domingos Chalub, os empresários do transporte coletivo de Manaus continuam ignorando as decisões judiciais e mantendo o novo sistema de bilhetagem.

A implantação do novo sistema continua sendo feita, apesar da juiza Maria Eunice Torres ter determinado o bloqueio de R$ 3 milhões do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Amazonas (Sinetram) e ter determinado a prisão do presidente do Sinetram caso a decisão judicial continuasse sendo desrespeitada.

Por conta das falhas, longas filas têm sido registradas nos terminais de ônibus e em frente à sede do Sinetram, no Centro, Zona Sul da capital. São muitas as reclamações de prejuizos, porque o novo sistema estaria descontando os créditos na carteirinha, mas estaria impedindo a passagem dos usuários. As catracas estariam ainda bloqueando as carteirinhas usadas nos coletivos. Isso foi confirmado, inclusive, pelo próprio Sinetram em nota enviada ao Radar, na manhã desta segunda-feira (27).

Na nota, o Sinetram, diz que o novo sistema está em funcionamento e que eles não veem motivos para a volta do sistema anterior e que estão trabalhando com ele todos os dias.

De acordo com o Sinetram, a empresa Meson “, é um fornecedor de serviços de tecnologia assim como a “Microsoft”, por exemplo, fornece tecnologia a pessoas físicas e jurídicas. Nenhum cidadão está preso à tecnologia da “Microsoft”, podendo optar por outro fornecedor”, diz trecho da nota.

O Radar questionou se as decisões judiciais não deveriam ser acatadas e se não há temor por parte do presidente César Tadeu Teixeira, ser preso por desacato a ordem judicial. Como respostas para essa e para quase todas as perguntas, o Sinetram respondeu através da nota o seguinte: “Todas as questões estão sendo tratadas pelo nosso setor jurídico e não vamos comentar sobre essa questão”. Eles ainda confirmam que o novo sistema de bilhetagem está sendo implantado normalmente. “Estamos trabalhando com ele (novo sistema de bilhetagem) todos os dias sem a necessidade de parar”, informa o Sinetram.

Diante dos questionamentos do Radar sobre novos problemas enfrentados nesta segunda-feira (27), o Sinetram respondeu como se não tivesse ocorrendo nada disso, se resumindo em dizer: “nesta madrugada, fizemos uma checagem minuciosa em todos os carros antes de saírem para as ruas para que não haja nenhum validador desconfigurado. Isso impacta no funcionamento 100% da Integração Temporal, localização exata dos veículos para acesso do usuário do aplicativo Cadê Meu Ônibus e principalmente os transtornos de catraca, que foram as grandes demandas de reclamação nos 2 primeiros dias”.

Enquanto a questão se tornou uma querela judicial, com desrespeito de decisões pelos empresários, a população continua reclamando do novo sistema de bilhetes, das longas filas, dos prejuízos financeiros e do atendimento humilhante dado pelo Sinetram aos cidadãos de Manaus.