Site da Câmara com informação em tempo “irreal”. Interessa?

E o site da Câmara Municipal de Manaus (www.cmm.am.gov.br) continua com seu link “Transparência” desatualizado, um link criado na administração do então presidente, vereador Luiz Alberto Carijó, para cumprir a Lei 131/2009 que determina que os cidadãos tenham acesso aos atos do Poder Público, em tempo real. E o pior é que bem na “cara” do site tem até o número da Lei (131/2009) onde qualquer pessoa deveria clicar e ter acesso às informações. Mas, ao fazer isso, você verá que o ano de 2013 parou em fevereiro, ou seja, a CMM atualmente está no tempo irreal. Acerte seu calendário!

Dá mais um tempo

Mas, não devemos nos preocupar porque, isso é só um lapso temporal já que vem aí, de autoria do vereador-ouvidor da CMM, vereador Hiram Nicolau, o Diário Eletrônico da CMM via internet (não nos perguntem se é no mesmo site da Câmara porque não sabemos). E ainda, um Diário Oficial impresso – não perguntem por que as publicações não vão continuar no Diário Oficial do Município, na página que cabe ao Legislativo Municipal, porque isso também não deu pra entender. Assim como os motivos para que, na era digital, volte-se a gastar com papel e incentivar o uso da celulose que provoca o corte de árvores, porque o povo aqui do Radar também não entendeu (vai ver que o povo aqui do Radar é meio burrinho pra não compreender a profundidade do projeto do vereador-ouvidor)

E ainda tem mais acesso

Mas, o acesso “irrestrito” à informação criado pela atual administração não para por aí. Além dos Diários, eletrônico e impresso do Ouvidor, também tem a comissão especial criada pelo presidente da Casa, vereador Bosco Saraiva, que está “implantando o serviço da Lei de Acesso à Informação n°12.527 de 18 de novembro de 2011 no âmbito do Poder Legislativo. Até a implantação total do SIC, no primeiro andar da CMM, todas as informações solicitadas pelos cidadãos com base na Lei estão sendo feitas por meio de pareceres expedidos pela Procuradoria” Entenderam? Enquanto a Lei de Transparência não é cumprida (e olha que ela é de 2009) no site da CMM. Enquanto os Diários do Ouvidor ainda estão sendo implantados. Enquanto também não é cumprida a Lei de Acesso à Informação ( nº 12.527). Se você quiser uma informação, você faz um ofício, encaminha a procuradoria da CMM que vai lhe dar a resposta, quem sabe 24, 48, 72 horas depois, através de um parecer, tá certo? Isso é que é acesso à informação em tempo real, não é mesmo?

Vão discutir o quê, mesmo?

E, por falar em informação, os deputados estaduais aprovaram audiência pública, para a próxima segunda-feira (03), para discutirem o Protocolo de Intenções firmado entre a Prefeitura de Manaus e o Governo do Estado para a criação do Consórcio Proama – o mesmo que Promessa de Amor a Manaus Ambiental. Mas, depois de acompanhar as últimas sessões plenárias da Assembleia Legislativa do Estado e ler tudo que é matéria que chega aqui no Radar sobre o assunto, tanto dos deputados da bancada do governo como dos pouquíssimos deputados de oposição, dá vontade de perguntar: vão debat er o quê mesmo? Pelas informações repassadas pelos próprios deputados, a concessão para a administração do Proama vai ser dada por parte da Prefeitura e do Governo para a mesma Manaus Ambiental, a concessionária Manaus Ambiental vai fazer a distribuição (e cobrança, é lógico) da água do Proama, a fiscalização vai ficar por conta, como sempre, da Arsam (Agência Reguladora dos Serviços Públicos, aquela mesma que divulga que notifica, adverte, multa (e tudo que é lambança possível e impossível) a Manaus Ambiental e não adianta nada, então é só dizer que vai ficar tudo como dantes no qualquer de Abrantes, até mesmo os bestas que somos nós que servimos pra pagar a conta, aturar o abuso de um péssimo serviço, comprar água quanto faltar água, e ainda ficar calado porque não vai adiantar de nada reclamar, mesmo!

Polícia para quem precisa

O moradores do Nova Cidade, conjunto Cidadão, e bairro Cidade Nova estão estavam há cinco dias, ontem (30) sem uma gota d’água. Cerca de 70 moradores decidiram ir pra rua para protestar. E, aí, vocês já devem imaginar o que aconteceu, chamaram a polícia para “conter os ânimos” de cidadãos revoltados. Essa inversão de valores é que nos enlouquece aqui no Radar. Não deviam chamar a polícia era pra Manaus Ambiental? Parafraseando música do grupo Titãs: “Polícia para quem precisa. Polícia para quem precisa de polícia”.

Tão sem grana? É só esperar o Proama

E, depois da revolta popular, é que a direção da Manaus Ambiental se digna a dar alguma informação para o povo. Pro povo não, pro veículo de comunicação que deu a notícia, já que ninguém da concessionária vai ao local onde a população sofre com a falta d’água. A explicação dada, através da assessoria de imprensa, foi: “houve a queima na bomba de distribuição de uma das elevatórias responsável pela distribuição de água nestas regiões”. ÁAAA! Agora entendemos! Os pobrezinhos da Manaus Ambiental estão sem dinheiro pra comprar urgente uma outra bomba, né mesmo? Devem tá “remendando a velha”, é isso? Coitadinhos! Não sem preocupem vem aí o Proama, de R$ 365 milhões pra ajudar você a distribuir a água pela cidade!!!!!