Site de notícias nacional nos expõe a vergonhosa constatação de obras atrasadas e mal feitas na Arena da Amazônia

obras entorno da arena da amazôniaA matéria está bem na “cara” do site UOL Notícias e envergonha pelas críticas, infelizmente verdadeiras, que faz a uma das únicas obras que o Governo do Estado nos induziu ao erro de acreditar, e até divulgar, que ficaria pronta para os jogos da Copa do Mundo realizados em Manaus, a construção da Arena da Amazônia. Diante de tantos projetos prometidos e não realizados, como por exemplo, as obras de mobilidade urbana para modificar o caótico e humilhante transporte coletivo local, ainda nos deparamos nesta quarta-feira (11), com matérias na mídia nacional, como o site de notícias G1 da Globo, e o UOL Notícias, demonstrando que os turistas nacionais e internacionais vão se deparar com um Aeroporto Internacional Eduardo Gomes inacabado e cheio de remendos, como diria o dito popular “só pra inglês ver”.

Já em outra matéria, desta vez no site UOL, que desta vez descreve o que está ocorrendo com a Arena da Amazônia, a “peia” na gente é ainda pior. Descreve obras que são feitas até de madrugada e, feitas às pressas, estão cheias de defeitos. Diz o texto: “Faltam dois dias para o primeiro jogo da Copa do Mundo em Manaus e as mais que atrasadas obras no entorno da Arena Amazônia não param nem à noite. Os operários que constroem o estacionamento deixaram o local perto das 23h na segunda e terça-feira. Mesmo neste ritmo a Unidade Gestora do Projeto Copa da cidade – que tem como coordenador o irmão do governador, Evandro Melo – não consegue determinar uma data para o término dos trabalhos. A assessoria de imprensa informou apenas que ficará pronto antes de sábado, data da partida entre Inglaterra e Itália. O esforço concentrado ocorre porque até a noite de terça-feira nem o asfalto no local estava pronto. Foi para terminar essa etapa que os operários esticaram o turnos. Mas mesmo assim alguns defeitos apareceram. Máquinas e caçambas passaram sobre o asfalto recém-colocado e provocaram a formação de sulcos. O nivelamento também deixou a desejar”.

O site de notícias conta ainda não tem nem “as faixas demarcando as vagas, que falta colocar sinalização e preparar a terra para plantar grama nas imediações do estacionamento”. E nossa “cara” vai ficando ainda mais vermelha de vergonha quando o repórter afirma que falta até iluminação no local. “A falta de postes sugere que a iluminação será precária. Existe somente um poste, mas não tem sequer a estrutura para fixação de lâmpada”, critica. E, no final do texto, deu vontade de fazer que nem avestruz e achar um buraco para enfiar nossa cabeça pra ninguém enxergar nosso total constrangimento diante do que está escrito na matéria: “Além do estacionamento, no entorno da Arena Amazônia havia homens passando fios pelos postes. Detectores de metais e máquinas de raio X, usados na segurança do acesso dos torcedores, ainda estavam em caixas. Sem tempo para fazer o essencial, o acabamento ficou em segundo plano. Há resto de obra e sujeira em vários pontos das imediações do estádio, sejam pedaços de papelão, plástico ou sacos de areia. Com tantas obras, o trânsito nas ruas que contornam o estádio está complicado. É comum uma faixa da pista de mão dupla ser fechada para a entrega de equipamentos ou movimentação de máquinas”. E, juntado essas matérias nacionais, com ainda matéria internacional, e logo no jornal inglês The Guardian, denominando de “estado chocante”, as condições do gramado da Arena da Amazônia, agora já sabemos o maior legado que vai ficar pra nós depois dessa Copa do Mundo, a incompetência de gerir recursos milionários com a construção de obras vergonhas. (Any Margareth)