Sob os gritos de “o campeão voltou”, Brasil bate a França e se classifica

brasil volei frança capa

França. Maracanãzinho. Jogo decisivo. A cena remetia a uma situação doída, vivida há um ano. Aquela derrota logo no primeiro confronto da fase final da Liga Mundial custou a eliminação prematura do Brasil. E virou um marco para o grupo. A lição aprendida não foi esquecida. Baixar a guarda e a energia contra Ngapeth & Cia. nunca, jamais, em tempo algum. E foi o que a seleção fez na madrugada desta terça-feira. Entrou em quadra sob forte pressão, tendo que derrubar aquele gigante jovem e abusado para se manter viva no torneio olímpico. Foi para cima, escolheu os golpes certos e levou os campeões europeus à lona: 3 sets 1 (25/22, 22/25, 25/20 e 25/23).

brasil volei frança 1A tensão dos últimos quatro dias ficava para trás. O time se reerguia depois de reveses para os EUA e a Itália. Depois de ter ficado sob ameaça de repetir o pior resultado de sua história: um nono lugar nos Jogos da Cidade do México 1968. Com a vitória, terminou na quarta colocação do Grupo A e enfrentará a Argentina, primeira do B, nas quartas de final. Os italianos vão medir forças com o Irã. Polônia, Rússia, EUA e Canadá vão ter seus confrontos definidos por sorteio.

Bernardinho trocava a formação. No lugar de Maurício Borges, Lipe. Os franceses botavam pressão e abriam 5/2. Ngapeth ia se soltando. Lucarelli não conseguia fazer o mesmo. Tocava duas vezes na rede. Wallace mantinha o time próximo no placar (10/8). O saque de Lipe entrava e deixava tudo igual (12/12). Mas Le Roux aparecia sem ser incomodado pelo bloqueio. O Brasil corria atrás do prejuízo de novo. E contava com a ajudinha do central para fazer 16/16. Maurício Souza fechava a porta para Rouzier e a seleção tomava o comando. Ngapeth tentava o ataque e a bola encontrava a rede (18/16). A arquibancada subia o volume. Lucarelli seguia no serviço. Maurício freava Rouzier mais uma vez.

brasil volei frança 2

O respiro durava pouco. Um bloqueio bem explorado e um ace de Rouzier e lá estavam os franceses no pé. Wallace ia para o saque. Mirava no único espaço vazio da quadra. Lamentava o erro. Serginho tinha certeza de que havia sido dentro. Bernardinho seguia a sua orientação e pedia o desafio. Dentro, por um tantinho, mas dentro. O técnico Laurent Tillie discordava, reclamava, era vaiado e levava o cartão amarelo (22/19). Ngapeth respondia com um ataque poderoso. Mas colocava força demais no saque e dava de graça o ponto que a seleção precisava para fazer 1 a 0: 25/22.

E errava outra vez, do mesmo lugar, na retomada do jogo. Para compensar a falha do craque, o triplo bem montado trabalhava. Wallace teimava e voa mais alto que ele e sempre tirava o Brasil dos momentos mais difíceis, quando os rivais engrenavam uma boa sequência e se esforçavam para que a diferença aumentasse para quatro pontos. O jogo do oposto fluía. Com sorriso no rosto, parecia se divertir em quadra (12/11). A França insistia, incomodava. Bernardinho colocava William e Evandro na partida. O time encostava (21/20). Lucão desperdiçava um saque. William chamava Lipe. Bola no chão. Ngapeth respodia do outro lado. Num erro de recepção num saque de Le Roux e a vantagem se perdia: 25/22.

brasil volei frança 3

O Brasil equilibrava as ações no terceiro set. O saque entrava, o bloqueio mostrava mais empenho. O time assumia o comando do placar  (9/8). Lucarelli começava a fazer a diferença. E a seleção agradecia. A equipe crescia junto com ele (19/15). A torcida também. A França já falhava mais. Bruninho não deixava Tillie completar seu contra-ataque e matava a parcial, passando para o outro lado uma bola que parecia perdida: 25/20.

Os gritos de “o campeão voltou” tomavam conta do ginásio depois de uma bela jogada de Bruninho. A França não se entregava e abria 13/10. O Brasil mantinha a concentração e comemorava o empate após um bloqueio de Lucão sobre Ngapeth (14/14). As equipes trocavam erros, a pressão aumentava na reta final. Os franceses tinham um ponto de frente (22/21). Rouzier fazia mais um. Comemorava o logo em seguida o set point. Bernardinho ganhava o pedido de desafio. Rouzier pedia a bola. Atacava para fora. Tudo igual (23/23). Wallace subia com vontade. Match point. Os franceses sentiam o golpe. Erravam e caíam.

brasil volei frança 4

CONFIRA OS CONFRONTOS NAS QUARTAS DE FINAL

Jogos no dia 17/08, quarta-feira:

10h – Rússia x Canadá
14h – Polônia x Estados Unidos
18h – Itália x Irã
22h15 – Brasil x Argentina

Fonte: GE