Sob suspeita de que haveria um caso amoroso, irmão do ex-prefeito de Eirunepé espanca a mulher e uma amiga

Denuncia Eirunepé 1

Moradores de Eirunepé entraram em contato com o Radar indignados com o que aconteceu no dia dia 19 de dezembro durante uma festa na casa do vereador Antilde Jose Gomes, irmão do ex-prefeito Dissica Valério Thomaz. Segundo os leitores do Radar, o vereador que é a costumado a fazer o que bem entende em Eirunepé e decidir tudo usando de violência teria espancado cruelmente sua mulher Débora, e só não a matou por causa da interferência de sua filha. Debora teria ficado com ferimentos por todo o corpo e com o rosto irreconhecível pelos socos desferidos pelo marido violento. Maria Antonia Rodrigues da Silva, uma amiga de Débora, também foi agredida pelo vereador e foi parar no hospital com hematomas por todo o corpo e luxação em uma das pernas.

Tudo teria acontecido após a festa de aniversário de Débora, realizada na casa onde ela mora com o marido, o vereador e irmão do ex-prefeito Dissica, Antilde José Gomes.  No final da festa, o vereador foi deixar os músicos em casa e, ao retornar teria encontrado a mulher deitada no sofá junto com a amiga. Ao ver a cena, o vereador deduziu que as duas mulheres teriam uma caso e passou a agredi-las com socos e pontapés. Ele teria inclusive pego uma faca na cozinha para matar Débora, mas a fllha do casal se colocou na frente da mãe. Foi nesse momento que a amiga de Débora conseguiu fugir e pedir socorro aos vizinhos e para a mãe de Débora que mora nas proximidades.

Denuncia Eirunepé montagem

Mas, segundo o relato dos leitores do Radar, Débora continuou sendo agredida até mesmo na frente de sua mãe, com um soco no rosto. “E, como sempre acontece quando a violência é praticada pelos parentes do ex-prefeito Dissica, o caso foi abafado. A esposa do vereador foi escondida em algum lugar, ela e a família estão sendo intimidadas para não fazerem nada e o vereador Antilde vai sair impune de mais esse ato de violência porque para ele não existe polícia e nem lei nenhuma, nem mesmo Lei Maria da Penha”, diz um cidadão de Eirunepé.

Mas, se através de intimidação e ameaça, o vereador conseguiu calar Débora e sua família, a outra vítima, sua amiga Maria Antonia, decidiu denunciar a violência sofrida. Ela fez o Boletim de Ocorrência na Delegacia Interativa de Eirunepé (ver documento no fina da matéria) e disse que pretende lutar para que o vereador e irmão do ex-prefeito Dissica não fique impune mais uma vez. (Any Margareth)

Denuncia Eirunepé 2

Clique na imagem para ampliar