Sobe 29% total de pessoas que usam antirretrovirais contra HIV no país

20141201_145010

O número de pessoas em tratamento com antirretrovirais no Brasil cresceu 29% em um ano, segundo balanço do Ministério da Saúde. Os dados foram divulgados no início da tarde desta quarta-feira (1º) pelo gestor da pasta, Arthur Chioro, durante evento em comemoração ao dia mundial de luta contra a Aids.

De acordo com o levantamento, 47.506 pessoas começaram a usar a medicação no período entre janeiro e outubro do ano passado, contra 61.221 na mesma época deste ano. No total, há quase 400 mil pessoas no país em tratamento com esses remédios.

O secretário de Vigilância em Saúde, Jarbas Barbosa, afirmou que esse crescimento está relacionado à mudança no protocolo clínico a doença, que comentou um ano. Agora, todas as pessoas que apresentam resultado positivo para o HIV passam a fazer uso dos antirretrovirais, mesmo as que não têm comprometimento do sistema imunológico.

“Se a gente não tivesse mudado o protocolo, a gente provavelmente teria o mesmo número, porque ele tem se mantido estável. Qual é a vantagem de fazer essa mudança? […] Ela retarda problemas associados ao HIV, retarda o aparecimento de doenças oportunistas”, explica.

Além disso, desde 2012, todas as pessoas que se expuseram ao risco de contrair o vírus podem tomar, em até 72 horas, o “coquetel do dia seguinte”. A medida dura 28 dias e tem o objetivo de evitar a multiplicação do vírus.

O novo boletim epidemiológico apontou que 734 mil pessoas vivem com HIV e Aids hoje no Brasil. Deste total, 89% foram diagnosticadas. O avanço da doença é considerado estabilizado no Brasil, que tem taxa de detecção em torno de 20,4 casos a cada 100 mil habitantes. São 39 mil ocorrências ao ano.

A região com maior número de novos casos é a Sudeste – 38,6%. O estudo mostra ainda que houve queda de 35,7% na taxa de detecção em menores de 5 anos. Segundo o Ministério da Saúde, 0,4% da população brasileira tem HIV.

Diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Fábio Mesquita afirmou que 11 unidades da federação apresentam taxa de detecção superior à nacional. “A gente destaca aí quatro estados, particularmente o Rio Grande do Sul, que tem o dobro da taxa de detecção nacional, o Amazonas, Santa Catarina e Rio de Janeiro”, disse.

O vírus HIV é transmitido pelo sangue, sêmen e leite materno. A infecção não tem cura, mas pode ser controlada por anos com o uso de coquetéis de drogas antivirais. A estimativa é que a pandemia de Aids, que começou há mais de 30 anos, já tenha matado até 40 milhões de pessoas em todo o mundo.

O SUS oferece um teste rápido, gratuito e sigiloso para interessados em descobrir se estão ou não infectados pelo vírus. O resultado sai em menos de 20 minutos, e não é necessário agendar o procedimento.

Também na ocasião, o governo federal lançou uma nova campanha publicitária de conscientização sobre a doença. O alvo são os jovens, e o slogan é #partiutestar, em alusão à linguagem típica desta faixa etária.

De acordo com a Organização das Nações Unidas, 35 milhões de pessoas viviam com o vírus, outras 2,1 milhões foram infectadas com e 1,5 milhão morreram de Aids em 2013. O principal foco de está na África subsaariana.

A agência da ONU para o assunto, a Unaids, diz que, até junho de 2014, 13,6 milhões de pessoas no mundo tinham acesso a drogas contra a Aids. Em 2010, o número era de 5 milhões.

Controle da transmissão
Entre as medidas adotadas pelo governo federal para evitar o avanço da Aids estão a ampliação da testagem de HIV em populações chaves — gays, transexuais, travestis, usuários de drogas e prostitutas, a facilitação do acesso a medicamentos e a incorporação de novas formulações.

Com isso, o objetivo é que em 2020 o Brasil alcance a meta estabelecida pela ONU, conhecida como 90-90-90: testar 90% da população brasileira, tratar 90% dos comprovadamente infectados e conseguir que 90% dos pacientes apresentem carga viral indetectável.

Segundo o ministério, o coeficiente de mortalidade caiu 67,3% nos últimos dez anos, passando de 6,1 caso de mortes por 100 mil habitantes em 2004 para 5,7 casos em 2013. Do total de óbitos por Aids no ano passado, 71,3% (198.534) ocorreram entre homens.

O governo federal afirma ter gastado R$ 780 milhões em medicação antirretroviral em 2014. Dos 22 remédios usados no tratamento, 11 são produzidos no Brasil.

Fundo Posithivo

A pasta também anunciou o lançamento do Fundo Nacional de Sustentabilidade às Organizações da Sociedade Civil que trabalham com doenças sexualmente transmissíveis e hepatites virais. A ideia é arrecadar recursos da iniciativa privada para financiar projetos sociais.

Representante da organização, Harley Henrique Nascimento disse que a medida é importante porque as entidades enfrentam dificuldades financeiras para manter o trabalho.

Aumento entre jovens

Uma reportagem exibida pelo Fantástico neste domingo mostrou que o número de casos de Aids em pessoas entre 15 e 24 anos aumentou mais de 50% desde 2006 no Brasil. O crescimento ocorreu contrariando a tendência no restante do mundo, onde a quantidade de infecções ao longo de uma década caiu 32% na mesma faixa etária.

De acordo com o diretor do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Fábio Mesquita, a taxa de detecção passou de 9,6 para 12,7, em 100 mil habitantes, nos últimos dez anos. “A epidemia basicamente cresceu em jovens e tem um crescimento mais expressivo em homens do que em mulheres.”

Dados da Secretaria de Saúde do Distrito Federal apontam que os jovens representam 37% dos novos pacientes com HIV. A capital do país registra uma média de 508 ocorrências por ano.