Suplicy se chateia e reclama ao PT por ficar fora de reunião de economistas

Fernando Frazão/Agência Brasil

O ex-senador e vereador de São Paulo Eduardo Suplicy (PT) diz ter ficado sentido por não receber convite para o encontro da Fundação Perseu Abramo que reuniu economistas ligados ao PT, na sexta-feira (14).

Suplicy manifestou seu aborrecimento em carta ao ex-ministro e presidente da Perseu Abramo (braço de políticas públicas da sigla), Aloizio Mercadante, afirmando que ao menos poderia ter sido chamado a participar ao menos virtualmente. Ele cobrou ainda debates sobre renda básica, sua bandeira de vida.

“Expresso meu pesar por ter sido excluído da lista de 40 dos mais importantes economistas do PT”, escreveu o vereador. “Ainda mais tendo em conta que ali se debateram temas como o combate à fome, à pobreza e à desigualdade”, seguiu o economista e ex-professor da Fundação Getulio Vargas (FGV-SP).

Suplicy ainda destacou sua defesa de renda básica para os brasileiros -há décadas ele prega que todos tenham direito a recursos mínimos que garantam sua sobrevivência com dignidade.

​”Todos vocês estão cientes de que a renda básica de cidadania, universal e incondicional, avança como tema em praticamente todos países do mundo”, disse na carta.

Em 2004, o então senador viu aprovado seu projeto de renda básica de cidadania, com a ajuda do voto do então deputado federal Jair Bolsonaro (hoje no PL). A lei, no entanto, não foi implementada.

Mercadante respondeu ao colega de partido que o núcleo de acompanhamento de políticas públicas (Napp) de economia do PT existe há cinco anos, e que essa foi a primeira vez que Suplicy teria manifestado interesse em participar.

“Você será convidado para novos eventos, mas, repito, foram cinco anos de trabalho e sua assessoria tem acompanhado”, disse o ex-ministro, por email.

“Inclusive sua assessoria tem participado ativamente do Napp de desenvolvimento social, onde são debatidos os temas do Bolsa Família, auxílio emergencial, renda básica da cidadania e temas afins”, afirmou Mercadante.

Procurado pela reportagem, Suplicy disse que a chateação já foi superada. “Da parte minha com o Aloizio, já está tudo bem”, declarou ele, que é cotado para disputar uma cadeira de deputado estadual ou federal nas eleições de outubro.

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo em 2020, o ex-senador disse haver um movimento crescente de reconhecimento da renda básica universal como instrumento para a promoção de uma sociedade mais justa e igualitária.

“Algumas das pessoas que têm falado disso são o ex-presidente dos EUA Barack Obama, o bispo sul-africano e Nobel da Paz, Desmond Tutu, o presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, e dezenas de economistas laureados como o Nobel”, afirmou na ocasião.

“É uma batalha que vale muito a pena. Cada vez mais as pessoas me procuram para dizer: puxa, você estava no caminho certo. E me parece que começa agora uma conspiração a favor dessa ideia. Tudo indica que vou viver para ver a renda básica implementada”, disse ainda.