Suspeito de infecção por cepa indiana circulou no aeroporto de Guarulhos sem restrição

Imagem reprodução

Imagem reprodução

Homem suspeito de infecção pela variante indiana do coronavírus que está sendo monitorado no Rio de Janeiro é acompanhado de perto também pelas autoridades de Guarulhos (SP). Segundo o prefeito Guti, o rapaz veio da Índia e fez escala no Aeroporto de Cumbica, onde circulou livremente, sem restrição alguma, por cerca de duas horas.

“A cidade não pode agir dentro do aeroporto. Por isso esse caso é um ‘problemaço’. Esse passageiro desceu aqui, rodou no aeroporto sem restrição alguma – o que é um erro da empresa que opera o local, não tê-lo mantido em uma sala específica – e rodou por duas horas. Ele deve ter feito uma refeição, falado com alguém. E praticamente todo mundo que está ali nos restaurantes ou nas lojas mora em Guarulhos. Grande parte dos trabalhadores mora aqui”, disse Guti em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta terça-feira (25).

“É um problema para a cidade quando esse isolamento não é feito de maneira adequada (…). O fato é que o aeroporto hoje não tem a forma ideal para mapear e isolar quem pode chegar de outras regiões com novas cepas”, criticou.

O homem em questão é um morador de Campos dos Goytacazes (RJ) que voltou da Índia, onde estava a trabalho, no sábado (22). Ao desembarcar, sem sintomas, ele foi submetido a um teste RT-PCR, cujo resultado foi positivo. Enquanto aguardava esse resultado, no entanto, ele não foi isolado pelas equipes locais.

O teste foi enviado para um laboratório, onde um sequenciamento genômico poderá detectar, em cerca de 10 dias, a qual variante o vírus pertence. O homem seguiu de avião para a capital fluminense, onde passou a noite em um hotel, e foi de carro para Campos dos Goytacazes, onde cumpre quarentena.