TCE aceita denúncia contra Mayara Pinheiro por supostamente empregar funcionários fantasmas em seu gabinete

Foto: Divulgação

O Tribunal de Contas do Amazonas (TCE-AM) aceitou um pedido de investigação contra a deputada estadual Mayara Pinheiro (PP) por supostamente empregar parentes e conhecidos como funcionários fantasmas de seu gabinete na Assembleia Legislativa do Amazonas.

De acordo com a representação, Mayara nomeu a ex-sogra, identificada como Maria do Rosário Lima das Chagas, a ex-madrasta Neide Maria Freire da Silva, a outra ex-madrasta Vivian Silva da Costa, a atual madrasta Sacha Thaís Cavalcante de Almeida, a babá de sua filha, Déborah Feitosa Martins, a própria tia Thiaury Joaquina Amaral, o tio da madrasta, Manuel Jamil Cavante de Almeida, e o primo Guillermo Alfonso Galindo Cardenas Nieto, além de uma mulher identificada como Sabrina Marins Mamed.

O autor da representação afirma que os assessores lotados no gabinete de Mayara nunca pisaram na Assembleia Legislativa do Amazonas. O pedido solicita a devolução integral dos valores recebidos pelos supostos funcionários fantasmas, além do imediato afastamento dos citados e a condenação dos envolvidos por improbidade administrativa, pelos danos causados ao patrimônio público. A solicitação ainda deve ser analisada pela conselheira Yara Lins.

Essa não é a primeira vez que Mayara Pinheiro é suspeita de nomear funcionários fantasmas em seu gabinete. Em maio deste ano, o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, deputado Roberto Cidade (PV), exonerou os seguintes assessores da deputada: Rosemary Cunha Martins, que é ex-mulher de Adail Pinheiro (pai de Mayara) e que mora em Portugal, e Rayan Gabriel Silva, que é marido de Karen Pinheiro (irmã de Mayara) e que mora em Toronto, no Canadá.

O Radar Amazônico entrou em contato com a deputada Mayara, solicitando um posicionamento da parlamentar com relação ao caso, mas até a publicação desta matéria não houve resposta.

Confira o documento da Representação na íntegra:

Representação