TCE-AM ergue monumento em homenagem às vítimas da Covid e profissionais de saúde

A partir desta quinta-feira, quem for à sede do Tribunal de Contas do Amazonas( TCE) vai poder apreciar, no meio do jardim, um monumento erguido em homenagem às vítimas de Covid-19 e aos profissionais que atuam na linha de frente ao combate da doença.É que como parte das comemorações pelos 70 anos, o TCE-AM inaugurou um monumento nas dependências da Corte de Contas, idealizado pelo presidente, conselheiro Mario de Mello. Durante a solenidade, o presidente lembrou a dor dos familiares das vítimas de covid e agradeceu aos profissionais, principalmente, os de saúde, valorizando o trabalho realizado nessa época de dificuldades.

“Nós não nascemos para morrer, morremos para renascer. Se morremos aqui, é apenas para provar que vivemos. Nossa viagem continua, agora nas dimensões azuis da eternidade celestial” destacou o presidente do TCE-AM, Mario de Mello.

Dentre os quase 40 profissionais de saúde homenageados no monumento, seis perderam as vidas no combate à Covid-19: Gecilda Albano Peçanha, assistente social da Semasc; e os médicos Carlos Roberto de Medeiros, Juarez Klinger do Areal Souto, Raimundo Ferreira Rodrigues, Rangel Alves Ruiz e Rodolfo Walter Garcia Arimendi.

Monumento

Usando a frase de “Navegar é preciso, viver não é preciso”, do poema Fernando Pessoa. Daí, a idealização do monumento em forma de barco, que  remete à saga dos viajantes do tempo e da vida, simbolizando a ida daqueles que faleceram.

Com a colaboração do renomado arquiteto Sérgio Santos e equipe, o monumento é constituído das madeiras reutilizadas Itaúba, Maçaranduba, Tauari e Louro Preto, materiais de grande valor histórico para o estado, fazendo alusão ao barco conhecido como “Cristo Rei”.

A inauguração do foi transmitida,ao vivo, nas redes oficiais do TCE-AM
* co

Texto: Lucas Silva