Técnico de enfermagem suspeito de estuprar grávida em Hospital de Itacoatiara é procurado pela polícia

A polícia constatou que o técnico de enfermagem Silvio Nunes Froes, 40, já responde a outros processos administrativos

técnico de enfermagem itacoatiara

Foto: Reprodução/PC-AM

A polícia divulgou a imagem do técnico de enfermagem Silvio Nunes Froes, de 40 anos, suspeito de estuprar uma jovem grávida de 24 anos no município de Itacoatiara, distante a 176 quilômetros de Manaus, no momento que ela estava inconsciente por consumo de medicamentos.

Segundo o delegado Paulo Barros, titular da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Itacoatiara, o crime ocorreu na madrugada do dia 25 de outubro deste ano, por volta das 5h, no Hospital Regional José Mendes. A vítima já realizou exames de corpo de delito e de conjunção carnal. Além disso, ela foi ouvida na delegacia, bem como os funcionários da unidade de saúde.

“Após tomarmos conhecimento do ocorrido, foi solicitado um mandado de prisão preventiva que foi expedido na última quinta-feira (24), pelo juiz Gonçalo Brandão de Sousa, da 1ª Vara da Comarca de Itacoatiara. A equipe de investigação da delegacia realizou buscas no endereço de Silvio, que não foi encontrado porque fugiu para local incerto”, informou o delegado.

O delegado ainda disse que o técnico de enfermagem foi afastado administrativamente do hospital em que trabalhava. Foi constatado ainda que ele já responde a processos administrativos disciplinares pela Prefeitura de Itacoatiara e pelo Governo do Amazonas.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) diz que está acompanhando o caso e abriu um processo para instaurar sindicância para apurar a conduta do servidor, a fim de aplicar as sanções administrativas legais.

A pasta informou ainda que enviou comunicado do fato ao Conselho Regional de Enfermagem (Coren) e está acompanhando o inquérito policial instaurado para investigar o caso.

Quem tiver informações sobre a localização de Silvio deve entrar em contato pelo número (92) 99183-4811, para contato direto com a autoridade policial, ou pelo 181, o disque-denúncia da Secretaria de Estado de Segurança Pública (SSP-AM).

(*) Com informações da Assessoria