Telescópio chinês teria detectado possíveis sinais extraterrestres

Os cientistas, contudo, ainda precisam descartar as interferências humanas como fonte dos sinais

Foto: divulgação

O Rádiotelescópio de Abertura Esférica de 500 metros (Five hundred Meter Aperture Spherical radio Telescope, ou FAST na sua sigla em inglês), localizado na China, detectou diversos sinais extraterrestres que, de acordo com os pesquisadores responsáveis da Universidade Normal de Pequim, pode ter uma origem artificial — uma civilização alienígena. Os pesquisadores da Universidade realizarão mais pesquisas para entender a real fonte dos sinais (que provavelmente deve ser uma interferência).

China encontrando alienígenas?

FAST é o maior telescópio voltado para busca por inteligência extraterrestre (Search for Extraterrestrial IntelligenceSETI na sigla em inglês) do mundo. Suas operações iniciaram em 2020. Segundo o veículo jornalístico chinês Global Times, os pesquisadores da Universidade Normal de Pequim encontraram diversos “traços técnicos” e suspeitos de sinais de civilização extraterrestre. Por mais que os cientistas acreditem que os sinais tenham como origem uma civilização extraterrestre inteligente, não é um confirmação e nem um sinal de grande probabilidade de origem extraterrestre.

Esses telescópios do tipo SETI vasculham sinais de rádio de origem extraterrestre, buscando distinguir daqueles que tem origem natural, como estrelas e outros fenômenos energéticos que acontecem no espaço. Mas há uma possibilidade que esse sinal de vida inteligente seja de origem terrestre. Conforme disse Zhang Tongjie, cientista chefe do grupo de pesquisa sobre civilizações extraterrestres, “a possibilidade de que o sinal suspeito seja uma interferência de rádio também é muito alta”. Uma interferência já enganou pesquisadores australianos que encontraram um “sinal suspeito”.

Ser uma potência espacial: o sonho da China

A China divulgou no início do ano o seu o plano de exploração espacial para a década. No plano, há uma aspa do presidente Xi Jinping.

“Explorar o vasto cosmo, desenvolver a indústria espacial e transformar a China em uma potência espacial é nosso sonho eterno”, disse o presidente. Em 2021 a Agência Espacial Nacional da China (CNSA) lançou o primeiro módulo da sua estação espacial, mas o plano não detalha quando a Agência pretende concluir a construção. A estação espacial chinesa, chamada de Tiangong, Palácio Celestial em mandarim, tinha como previsão ser finalizada e entrar em operação total em 2022.

China destaca em seu plano projeto de levar uma missão tripulada à Lua, mas também não indica uma data, um prazo, para isso. O que a CSNA informa é que pretende lançar mais duas sondas para a Lua. Nessa nova corrida espacial, os Estados Unidos devem sair na frente no quesito “pousar na lua” (mesmo que já tenha feito isso antes. A Nasa deve levar a primeira mulher e pessoa não-branca ao satélite até pelo menos 2025. O que a CSNA explica sobre sua missão tripulada na Lua é que passará os próximos cincos estudando e pesquisando as tecnologias para o pouso lunar, uma nova geração de espaçonaves tripuladas e as tecnologias-chaves para a exploração e desenvolvimento da órbita cis-lunar (região que inclui uma pequena área além da órbita lunar). A Agência também quer trabalhar com outras agências para a criação de uma estação de pesquisa na Lua.

Não só de Lua vive a CSNA. A China também quer trazer amostras do solo marciano, enviar sondas para asteroides, explorar o sistema de Júpiter e os limites do sistema solar.