Tem gente que conseguiu entender o grito que veio das ruas

Até que enfim alguém decidiu começar a dar resposta para o que foi dito pelo povo nas ruas. Nesta quarta-feira (03), cinco deputados, cumprindo com a função de legislar, apresentaram projeto que reduz a alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para os itens da cesta básica, que atualmente é de 17%. Caso seja aprovado, o projeto cria a “Cesta Básica Popular” com uma alíquota de ICMS reduzida para 1%. Agora é esperar que os outros 19 representantes da população no Legislativo estadual façam a sua parte e aprovem a proposta, ou demonstrem claramente que não entendem a língua do povo, apenas o dialeto de quem está no Poder.

Representante de quê? De quem?

E têm companheiros da imprensa local que devem ter atenção redobrada com essa questão de grupos que se dizem representantes dos movimentos populares e conseguem todo o espaço na mídia posando de defensores de interesses da população, quando na verdade estão a serviço de interesses particulares. Esse tipo de gente faz jus a uma das frases mais brilhantes que ouvi outro dia: “Tem casos em que o patriotismo é o ultimo refúgio de um canalha”.

Antena parabólica

Já aqui no Radar a rapaziada parece ter antena parabólica pra  mau-caráter. Certos discursos não convencem de jeito nenhum. Até porque, citando mais uma vez o Mestre dos Mestres, Jesus Cristo, “não existe fé sem obras”. Então, é só ir além dos discursos e avaliar as atitudes de certas pessoas em sua trajetória de vida, dá pra ver que é “pau podre”. O resto são palavras bonitas, sem qualquer verdade ou sentimento.

Comeu abiu, foi?

E o povo do Radar quer saber como ficou a situação da CPI da Telefonia na Assembleia Legislativa do Estado (ALE) para investigar e punir os responsáveis pelos péssimos serviços, sem falar da falta de respeito, com os clientes das operadoras de telefonia móvel e fixa. Pelo que fomos informados já haveria as assinaturas necessárias, faltando apenas o presidente da Casa, deputado Josué Neto, instalar a CPI oficialmente. Mas, desde a semana passada quando foi entregue o requerimento para instalação da CPI, não se houve uma palavra do presidente. O que foi que aconteceu? Comeu abiu?