Terras no sul do Amazonas são embargadas por desmatamento ilegal

Mais 1.625,5 hectares de terra foram embargados nos municípios de Apuí e Canutama (a 347 e 619 quilômetros de Manaus, respectivamente). A ação é resultado das operações Curuquetê e Verde Brasil, realizadas em conjunto pelo Governo do Estado e Governo Federal, que identificaram prática de queimadas e desmatamento ilegal nos locais.

Este foi o segundo dia de ações na zona rural de Canutama. No primeiro dia, foram embargados 1.584 hectares de terras, divididas em seis propriedades, e emitidas multas no valor total de R$ 4,9 milhões. Na terça-feira (10), foram embargadas áreas de mais seis propriedades, somando 1.039 hectares.

A ação contou com efetivo do Exército Brasileiro, Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam), Batalhão de Policiamento Ambiental (BPAMB) da Polícia Militar do Amazonas e do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM). Os proprietários das áreas não foram localizados, e serão multados posteriormente.

Em Apuí, foram embargadas três áreas que somam 586,5 hectares. Na primeira, localizada na Vicinal Tocantins, a proprietária foi autuada em R$ 1.392.865,00 por destruir e danificar floresta nativa, e em R$ 278.573,00 por atear fogo área de mata sem autorização. O empreendimento conta com área de aproximadamente 278,573 hectares.

Próximo à Vicinal Brasil Novo, também no Distrito de Apuí, outros três setores foram visitados e dois embargados pelo Ipaam, com áreas de 200 hectares e 107,9 hectares. Os fiscais aplicaram multa de R$ 271.195,00 por destruição de floresta e de R$ 54.239,00 por fazer uso de fogo em floresta nativa.

Com informações da assessoria da Sema.