Testemunhas e vítimas intimadas a depor em processos contra Adail pelo juiz de Coari, na próxima terça-feira, estariam sendo ameaçadas

Informações enviadas ao Radar dão conta de que testemunhas de acusação e vítimas que fazem parte dos processos contra o prefeito Adail Pinheiro, onde ele é acusado de chefiar uma rede de exploração e abuso sexual de crianças e adolescentes no município de Coari estariam sendo ameaçadas, até mesmo de morte, e coagidas a aceitarem suborno em troca de mudar seus depoimentos contra o prefeito ou não comparecerem para depor. Isso teria ocorrido esta semana com pelo menos três testemunhas de acusação que estão intimadas a comparecer na presença do juiz de Coari, Fábio Lopes Alfaia, na próxima terça-feira para prestarem depoimento.

Desde o início do ano, quando Adail Pinheiro, no dia 08 de fevereiro foi parar na cadeia (ou seria melhor dizer foi parar no quartel), as ameaças, intimidações e tentativas de suborno já estavam sendo denunciadas, mas o clima de terror teria ficado pior com a chegada do juiz Fábio Alfaia, que retomou a instrução dos processos contra o prefeito e começou a intimar testemunhas e vítimas. Um total de 48 pessoas já recebeu intimação por parte do juiz.

A “missão” de aterrorizar essas pessoas estaria a cargo de funcionários do primeiro escalão da prefeitura de Coari, com o envio de “mensageiros” para fazer contato os depoentes. Num desses casos, o “mensageiro” teria sido o atual caseiro da residência do prefeito, conhecido apenas por “Manel”. Ele teria dito a uma das testemunhas que “preparasse as tábuas do caixão”. Todas as ameaças, intimidações e tentativas de comprar o silêncio dos depoentes foram comunicadas ao coordenador do Cao-Crimo, grupo de combate ao crime organizado do Ministério Público Estadual (MPE), o promotor Fábio Monteiro.