The Intercept publica áudio em que a diretora da FVS admite erro no número de mortos por Covid-19

Foto: Maurílio Rodrigues/Secom

O site The Intercept Brasil publicou matéria onde aponta que o Governo do Amazonas teria cometido um erro no número de mortos por covid-19, deixando de publicar 24% das mortes ocorridas em Manaus entre março e agosto deste ano. Isso significa que a FVS teria deixado de registrar ao menos 373 mortes por covid-19 entre o início da pandemia na capital e o dia 22 de agosto.

Na matéria, há um áudio da diretora-presidente da FVS, Rosemary Pinto, admitindo erro nos gráficos, durante uma reunião que aconteceu no Ministério Público do Amazonas (MPE-AM). Essa declaração de Rosemary Pinto teria ocorrido após ser confrontada com denúncias de pesquisadores e epidemiologistas sobre erro a menor no levantamento de mortes por covid-19.

Diz a reportagem que “do dia 1º para o dia 2 de setembro, um dos gráficos divulgados pela fundação registrava 164 novas mortes por covid-19 enquanto outro gráfico, no mesmo boletim, informava apenas 4 mortes. Havia um terceiro gráfico disponível no site da FVS informando seis novas mortes no Estado nas mesmas 24 horas”.

A resposta da diretora da FVS pra vários boletins com desencontro de informações que aparece no áudio é: “Nós temos um erro aí, precisamos rever”. Mas, segundo o site, a correção dos dados jamais foi realizada. “Seis dias após a reunião, o gráfico foi apenas removido do boletim”.

Segundo o The Intercept, esses boletins foram usados pelo governador Wilson Lima para anunciar decisões como por exemplo a reabertura do comércio e o retorno às aulas presenciais, o que ocasionou novas mortes em Manaus.

“ São muito serros que ajudam a pintar uma imagem artificialmente positiva da pandemia e me fazem questionar todas as outras análises da FVS”, comenta na matéria o professor do departamento de matemática da Universidade Federal do Amazonas, Alexander Steinmetz, crítico dos números divulgados pela FVS sobre a pandemia, inclusive declarações do governador sobre dias com nenhuma morte por covid-19.

Ver matéria do The Intercept