Thiago Braz e Dilshod Nazarov são as estrelas do GP Brasil de Atletismo

Já está com saudades de torcer pelo Brasil? Ainda inconformado pela eliminação da seleção de Tite da Copa do Mundo? Então, se liga nessa dica: que tal prestigiar os maiores do nomes do atletismo brasileiro? De quebra, você ainda pode ver grandes performances de astros e estrelas internacionais deste nobre esporte, talvez até novos recordes!

Essa é a expectativa para a 33ª edição do Grande Prêmio Brasil de Atletismo que será disputado nesse domingo (8) na pista do Centro Nacional de Desenvolvimento do Atletismo (CNDA), em Bragança Paulista (SP), com a presença de 130 atletas de 25 países. O GP, realizado anualmente desde 1985, integra o IAAF World Challenge, um dos principais circuitos do esporte-base mundial. Estão programadas 18 provas, sendo que duas – os 100 m para deficientes, masculino e feminino – são de exibição. A etapa brasileira acontece de 13h30 às 16h45.

O paulista Thiago Braz, campeão olímpico no salto com vara dos Jogos Rio 2016, é a grande atração da equipe brasileira. Há mais de um ano, ele não compete em casa. Mas outros nomes também são esperados com bastante expectativa pela excelente temporada que estão fazendo! Thiago Braz não tem tido a mesma sorte, ainda não conseguiu mostrar seu potencial este ano, tampouco chegou perto dos 6.03m alcançados na Olimpíada do Rio.

Depois de se afastar das competições em julho de 2017, recuperando-se de uma lesão sofrida em Rabat, no Marrocos, Thiago voltou à cena em janeiro. Durante a preparação para a temporada 2018 com o técnico ucraniano Vitaly Petrov no Palaindoor de Pádova, na Itália, o brasileiro desenvolveu uma nova técnica que exige 18 passadas para o salto. O objetivo é aumentar as chances de atingir com mais regularidade resultados acima de 6m. O melhor desempenho até aqui foi no Meeting Indoor Perche Elite Tour na Kindarena de Rouen, na França, evento reservado ao salto com vara. Thiago e o francês Renaud Lavillenie dividiram o primeiro lugar com 5.90m. A maior frustração do ano aconteceu no Mundial Indoor de Birmingham (GBR), realizado em março. Thiago acertou apenas um dos seis saltos executados na Barclaycard Arena, não superou a barreira dos 5,80m e ficou fora da final, despedindo-se na 12ª colocação.

A estreia nas competições em pista descoberta foi em maio, na etapa de Eugene (EUA) da Diamond League, onde o brasileiro zerou a prova. Depois disso, Thiago não saltou no Golden Gala de Roma, alegando desconforto muscular, desistiu do Meeting de Ostrava, com uma lesão no pé esquerdo, e reapareceu na etapa de Paris da Diamond League, onde, novamente, decepcionou: passou com muita dificuldade os 5m45 – apenas na terceira tentativa – e não conseguiu passar o sarrafo a 5m60. Esta semana, o brasileiro abriu mão de saltar na oitava etapa do circuito internacional em Lausanne, na Suíça. Resta saber se Thiago preferiu se poupar para surpreender o público brasileiro em Bragança!

– Este ano, enfrentei lesões, primeiro senti a panturrilha e depois o pé, isso tem atrapalhado. Em situações assim é melhor prevenir e preferi não saltar (em Lausanne). Aqui no GP Brasil, vamos buscar uma boa marca – finalizou o campeão olímpico que terá, como principal adversário em Bragança, o norte-americano Cole Walsh. Ele tem 5,75 m (recorde pessoal) e ocupa o 12º no Ranking Mundial, é dono da melhor marca do ano entre os atletas inscritos para o salto com vara do GP Brasil. Outros destaques da prova são o brasileiro Augusto Oliveira e o argentino German Chiaraviglio, vice-campeão pan-americano.

Dilshod Nazarov já é íntimo do GP Brasil, ele esteve no país durante quatro anos seguidos entre 2009 e 2012. Mas, nunca pisou nessas terras com o status de campeão olímpico! O ano de 2016 foi mesmo especialíssimo para Nazarov! Porta-bandeira do Tadjiquistão na Abertura da Olimpíada do Rio, o atleta virou ídolo nacional depois de alcançar 78,68m no lançamento do martelo e conquistar o primeiro ouro do país na história dos Jogos. O Tadjiquistão só tinha uma prata e dois bronzes. Nazarov foi recebido com muita festa no retorno à sua cidade ao desfilar pelas ruas com a medalha no peito. Em dezembro de 2016, nasceu seu terceiro filho.