Torrent promete seguir legado de Jesus e garante Flamengo ofensivo

Foto: Reuters

Contratado para substituir Jorge Jesus no Flamengo, Domènec Torrent chegou nesta segunda-feira (3) ao Rio de Janeiro, percorreu as dependências do Ninho do Urubu e já concedeu a primeira entrevista como técnico rubro-negro.

 O espanhol elogiou bastante o trabalho do antecessor dele e afirmou que irá implementar suas ideias aos poucos. “Respeito muito o Jorge Jesus. Ganhou tudo com o Flamengo. Pouco a pouco vamos implementar nosso estilo, temos de respeitar o trabalho do Jesus e dos jogadores. Ambos somos ofensivos, mas sempre há pequenas diferenças”, disse o treinador.

“Impossível estar no Flamengo e não ser ganhador. Isso se leva na alma e no sangue. Não posso ser um elefante que entra em um quarto pequeno e destrói tudo. Temos de aproveitar o trabalho e melhorar. Quero que o Flamengo tenha um estilo muito próprio. Queremos um estilo, uma filosofia muito clara para o clube”, completou Torrent.

O catalão assegurou ter recusado outras propostas ao saber do interesse do Flamengo e exaltou a importância do clube no cenário mundial: “Tinha ofertas na Europa e na América [do Norte]. Mas quando me falaram sobre possível interesse do Flamengo, falei para parar tudo”.

“Flamengo é muito respeitado na Europa. Quando se pensa em equipes brasileiras na Europa, se pensa no Flamengo. Falei que primeiro seria o Flamengo, seria a minha primeira opção. Estou muito feliz de fazer parte dessa nação. Na Europa, todos sabem que o Flamengo é um dos maiores do mundo”, afirmou.

Torrent ainda falou sobre sua relação com Pep Guardiola, de quem foi auxiliar no Barcelona, no Bayern de Munique e no Manchester City, antes de se tornar treinador no New York City FC, dos Estados Unidos: “Todo mundo sabe que tenho uma filosofia muito similar a do Pep Guardiola. Gosto do jogo ofensivo. Prefiro ganhar de quatro do que de um. Isso é importante para a torcida. Importante não é só ganhar, é como ganhar”.

“Flamengo tem de jogar no Maracanã e fora da mesma forma. Gosto de ser agressivo, de ter a bola e ser protagonista. Para mim, foi muito importante passar esses dez anos de trabalho com amizade e conhecimento. Quando você está com o melhor do mundo, aprende muito”, encerrou.

O comandante disse já ter uma ideia de uma equipe-base e afirmou já ter assistido a mais de dez jogos do clube rubro-negro. No domingo (9), ele já dirige a equipe contra o Atlético-MG, em jogo válido pela rodada de abertura do Campeonato Brasileiro.

(*)Informações da Folhapress/UOL