Trabalhadores do comércio fazem manifestação em frente à Aleam para pedir reabertura do comércio (ver vídeo)

Foto: Rafa Braga/Radar Amazônico

Empresários, trabalhadores informais e motoristas de aplicativo, realizaram uma manifestação na manhã desta quinta-feira (11) pela reabertura gradual do comércio em Manaus. Com cartazes e megafones, os manifestantes se concentram em frente a Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) para que os deputados apoiem os comerciantes que estão há mais de um mês sem trabalhar, devido decreto governamental que permite o funcionamento apenas de serviços essenciais, para ajudar a conter a disseminação da Covid-19.

“Esses trabalhadores aqui não são analfabetos, são pessoas que estão aqui reivindicando seus direitos porque não estão conseguindo trabalhar para levar o pão para a mesa de seus filhos. Nós não podemos mais pagar a conta pela incompetência de uma pessoa só pela ingerência de uma pessoa só. O Amazonas clama por socorro e o socorro tem que vir dos deputados”, disse Marcos Maia, presidente da associação do comércio informal.

Em um ato pacífico os manifestantes gritavam “Fora Wilson Lima” e “Queremos trabalhar”. Ao serem questionados pela reportagem do Radar sobre os riscos de contaminação em uma possível reabertura, os manifestantes afirmam que o ideal seria haver uma campanha de orientação e fiscalização para garantir as medidas de prevenção estabelecidas pelo Ministério da Saúde (MS).

Motoristas de aplicativo

Outra classe que também foi impactada pelo fechamento do comércio, foi a dos motoristas de aplicativo que também que além de sofrerem com o alto valor da gasolina que no momento custa R$ 4,84 agora sofrem também com a baixa demanda de corridas.

O presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativo de Manaus, Alexandre Matias, criticou as fiscalizações que proíbem viagens por aplicativo com mais de um passageiro, se por outro lado, não há fiscalização para proibir as aglomerações no transporte público da capital.

“Nos pedimos uma flexibilidade para os motoristas de aplicativo porque os ônibus podem. Temos os amarelinhos (vans) que andam por ai lotado, tem os articulados lotados. Devido a isso caiu muito a nossa demanda e muitos motoristas estão devolvendo os carros”, disse Alexandre Matias.

Por volta de 12:30 a manifestação se encerrou e nenhum deputado saiu da Aleam para conversar com a categoria. Devido a falta de resposta o grupo prometeu voltar para uma nova manifestação na próxima terça-feira.