Transporte escolar em Presidente Figueiredo é alvo de investigação do MPF

O Ministério Público Federal (MPF) no Amazonas instaurou um inquérito civil para apurar as repercussões cíveis da prestação do serviço de transporte escolar em Presidente Figueiredo (a 127 quilômetros de Manaus), nos exercícios de 2017 e 2018, anos em que o município já era administrado pelo prefeito cassado, Romeiro Mendonça (PDT). 

Segundo a publicação, a investigação é assinada pelo procurador da República, Thiago Pinheiro Corrêa, que considerou o Procedimento Preparatório nº 1.13.000.000208/2019-33, que trata sobre o caso.

“Embora encerrado o prazo de tramitação deste procedimento, ainda não foi possível concluir sua instrução”, argumentou o procurador. A informação foi publicada no Diário Oficial do órgão, na edição desta quarta-feira (6). (Veja documento no final da matéria)

Romeiro e seu vice, Mário Abrahão são envolvidos em gastos milionários com festas no município e diversas irregularidades na administração pública. Eles foram cassados pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) em setembro deste ano, mas permanecem no cargo “até esgotamento das vias ordinárias de recursos”.

Interior

Outro município que sofre com o serviço de transporte escolar é Iranduba (a 27 quilômetros de Manaus). Tanto que nessa terça-feira (5), alunos realizaram uma manifestação para cobrar do prefeito Francisco Gomes da Silva (DEM), o “Chico Doido”, o cumprimento da lei do transporte universitário aprovada em 2016, e que está paralisada há mais de uma semana.

Já no mês passado, a precariedade no transporte escolar em Juruá  (a 675 quilômetros de Manaus) virou alvo de investigação do Ministério Público do Amazonas (MP-AM) para apurar as condições dos veículos e embarcações usados para transportar os alunos.

Confira documento na íntegra