Tristes dias em que precisamos de tendas

Foto: Divulgação

Foi uma experiência terrível ver, nesta terça-feira (29), serem instaladas tendas em frente aos hospitais de Manaus. Elas me remetem ao início da pandemia e me trazem à lembrança imagens desesperadoras de pessoas desmaiando debaixo dessas tendas enquanto esperavam por atendimento e os parentes desesperados gritando por ajuda.

Não estou dizendo que vai acontecer a mesma coisa e tenho dobrado os joelhos e pedido em oração que isso não ocorra mais. Não dá nem pra imaginar passar por isso de novo. Mas, as tendas me incomodam também por outro motivo.

Elas são como se fossem um símbolo da bestialidade de muitos seres humanos, que de humanos não têm nada. Gente que brada aos quatro cantos ser cristão e prepara uma Marcha pra Jesus onde o que menos importa é o semelhante. E como se dizer cristão sem cumprir o principal mandamento de amar o próximo como a si mesmo?

Essas tendas são erguidas todas as vezes que deixamos de cuidar uns dos outros, enquanto os profissionais de saúde têm que arriscar suas vidas pra cuidar de todos. Elas significam que não há mais lugar dentro dos hospitais pra atender todo mundo. E chegamos mais uma vez a esse ponto por causa do egoísmo daqueles que não conseguem pensar no outro. Uma gente estúpida pra quem uma festa representa mais do que uma vida.

E enquanto armam as tendas vai me dando um aperto no peito, porque é só elas aparecerem pra gente saber que a pandemia cresceu, junto com o egoísmo das pessoas e a falta de consciência.