Universitária denuncia abuso sexual de médico veterinário em Clínica no Manoa

blank

Em publicação repercutida nas redes sociais, na noite dessa quinta-feira (10), a estudante de medicina veterinária, Bianca Alves, de 21 anos, denunciou ter sido vítima de assédio e tentativa de estupro por Pedro Monteiro da Silva Junior, um conhecido veterinário do Centro Médico Veterinário Manoa, localizado na rua Arace, Cidade Nova, zona Norte de Manaus .

De acordo com o post, ela diz estar se sentindo constrangida e humilhada por relatar o que aconteceu em suas redes sociais, mas diz que sente necessidade de fazer isso. “Eu sei que não fui a única, mas quero garantir que serei a última”, diz a universitária. Ela relata que o convite para o primeiro plantão pago foi feito pelo próprio agressor e sua esposa, na última quarta-feira (9) quando ela foi ao Centro Médico Veterinário do Manoa para entregar um presente a outra veterinária, “quem me deu a primeira oportunidade de estágio”.

(ver postagens no decorrer da matéria)

A moça fala da felicidade de fazer seu primeiro plantão pago, mas ao chegar ao consultório à noite, Bianca diz que o agressor começou a assediá-la com conversas inapropriadas como sexo e nudes, comentando inclusive “sobre como transava loucamente com a antiga recepcionista quando sua esposa não estava na clínica”, informou.

A vítima relatou ainda que o suspeito continuou insistindo, oferecendo até dinheiro, dizendo “que toda mulher gosta de dinheiro e só não aceita por medo de ser julgada”. Bianca diz que não sabe nem por quanto tempo ele a manteve trancada, tentando beija-la, passar a mão em seu corpo enquanto a outra mão a segurava com força, e até se masturbou em sua frente.

“Não desejo isso a ninguém, a dor, o desespero e a angústia de saber que fui marcada com esse trauma”, diz a universitária.

Após isso, Bianca registrou o Boletim de Ocorrência no 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Entramos em contato com a Polícia Civil solicitando informações sobre como anda o processo de investigação, e a resposta foi de que o “caso permanece no 6º DIP e será encaminhado à Delegacia Especializada em Crimes Contra a Mulher (DECCM), em breve, para os procedimentos cabíveis, quando o autor será intimado para comparecer na Especializada e prestar esclarecimentos”.

blank

Em comentários feitos no post de Bianca Alves, várias mulheres se solidarizam dizendo terem sido vítimas de abusos sexuais no ambiente de trabalho.

blank

 

Nota do Centro Veterinário

Em nota, o Centro Médico Veterinário diz que “repudia totalmente qualquer tipo de assédio a mulher e que lamenta os casos relatados nas redes sociais”. A mesma nota também diz que desligaram o funcionário, porém no Boletim de Ocorrência registrado pela vítima, diz que ele é proprietário da clínica.

blank

Repercussão do caso

O post ultrapassa os 700 comentários e 4 mil curtidas, com comentários de figuras como a deputada Alessandra Campelo que defende a causa das mulheres, deputada Joana Darc e a ex-BBB Vivian Amorim.

Abuso sexual e denúncia 

A conscientização sobre a necessidade de denunciar esses casos é fundamental que para que os agressores sejam punidos. Vale ressaltar, que a culpa não é da vítima, independente do cenário, seja trabalho, transporte coletivo, rua de casa; Culpar a vítima que foi assediada ou estuprada por alguém só aumenta o sofrimento e o medo de outras vítimas a denunciar e na diminuição dos crimes contra a dignidade da mulher.

O termo abuso sexual é amplamente usado para categorizar qualquer ato de violência sexual em que não há consentimento da outra parte.

No Brasil, a Lei 12.015/2009 integra o Código Penal e protege as vítimas nos casos dos chamados ‘crimes contra a dignidade sexual’. Sexo oral, masturbação, toques íntimos se enquadram na categoria de violência sexual do estupro, mais grave abuso sexual.